Empresa envolvida em acidente com Boechat não podia fazer táxi aéreo

Segundo Anac, empresa estava certificada para prestar Serviços Aéreos Especializados

Marina Estarque
São Paulo

A empresa RQ Serviços Aéreos Especializados Ltda, dona do helicóptero de matrícula PT-HPG, que caiu nesta segunda-feira (11) no acidente que matou o jornalista Ricardo Boechat, 66, não estava autorizada a fazer o serviço de táxi aéreo, ou seja,  transportar passageiros mediante remuneração,  segundo a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac).

A empresa estava certificada para prestar Serviços Aéreos Especializados (SAE), que incluem aerofotografia, aerorreportagem e aerofilmagem.

“Qualquer outra atividade remunerada fora das mencionadas não poderia ser prestada. Tendo em vista essas informações, a Anac abriu procedimento administrativo para apurar o tipo de transporte que estava sendo realizado no momento do acidente”, afirmou a Anac, em nota.

A agência informou que o helicóptero estava em situação regular, com "Certificado de Aeronavegabilidade (CA) válido até maio de 2023, e a Inspeção Anual de Manutenção (IAM) em dia até maio de 2019". 

A aeronave, da fabricante Bell Helicopter, era pilotada por Ronaldo Quatrucci, que também morreu no acidente. Segundo a Anac, as licenças e habilitações do piloto estavam válidas.

O jornalista estava em Campinas palestrando a convite de uma farmacêutica, Libbs, em uma convenção anual de vendas da empresa.

Segundo o engenheiro aeronáutico Shailon Ian, CEO da consultoria Vinci Aeronautica, o transporte irregular de passageiros é “um dos maiores problemas enfrentados na aviação hoje”. “Uma empresa de táxi aéreo passa por um processo longo de certificação na Anac com várias exigências que quem pratica o transporte clandestino ou pirata não se submete”, afirma. 

Para o engenheiro, a data de fabricação da aeronave não é significativa.  “Um projeto mais novo tem avanços tecnológicos na fabricação e design que tornam o voo mais seguro, mas isso não é determinante para esse tipo de trajeto, que é curto”, diz. Ele afirma que a quantidade de horas de voo e a manutenção periódica são mais importantes para avaliar a segurança.

O perito aeronáutico Antonio Nogueira, especializado em investigação de acidentes, tem a mesma opinião. “Aeronave não tem idade, velha ou nova o que importa são as manutenções periódicas. E essa máquina é boa, o modelo é perfeito”, afirma.

Folha procurou a RQ Serviços Aéreos Especializados Ltda, mas ainda não teve resposta. A empresa Zum Brazil, especializada em realização de eventos corporativos, disse que contratou a empresa RQ para o transporte e que "sempre faz uma seleção criteriosa de todos os seus prestadores de serviço".

“Para o deslocamento do jornalista Ricardo Boechat para sua participação em convenção da Libbs Farmacêutica em Campinas, a Zum Brazil contratou a RQ Serviços Aéreos Especializados Ltda, que está em situação regular e possui todas as certificações exigidas pela Anac”, afirmou, por meio de nota. A empresa não explicou se sabia que a RQ não estava autorizada a fazer o serviço de táxi aéreo.

“A Zum Brazil lamenta profundamente as mortes do jornalista e apresentador Ricardo Boechat e do piloto Ronaldo Quattrucci, que era dono da RQ, e está à disposição das autoridades para prestar os esclarecimentos necessários”, afirmou.

A Libbs confirmou que contratou a empresa Zum Brazil para o evento. Em nota, a Libbs disse que todos os funcionários da empresa estão "profundamente consternados" com a morte de Boechat.

"Ele foi convidado para participar de nossa convenção, em Campinas, neste dia 11, e, como é comum em suas aparições, abrilhantou e fortaleceu a relevância do nosso encontro. Durante 40 minutos ele esteve conosco em um bate-papo no qual imprimiu seu estilo, sempre autêntico e verdadeiro", afirmou a farmacêutica, que disse lamentar igualmente o falecimento do piloto.

A empresa informou que o caso está em averiguação e que aguarda informações oficiais para colaborar no que puder. O evento, no Royal Campinas, ​​ainda teria um show nesta segunda. A programação foi cancelada após a confirmação do acidente. ​​

O ACIDENTE

Segundo testemunhas relataram ao Corpo de Bombeiros, a aeronave Bell Jet Ranger, um modelo de 1975, tentou fazer um pouso de emergência em uma alça de acesso do Rodoanel à avenida  Anhanguera, na altura do quilômetro 7, sentido Castelo Branco, próximo a um pedágio —local das vias com menos fluxo de veículos.

Na descida, no entanto, ela se chocou com um caminhão que tinha acabado de sair do pedágio, na faixa do Sem Parar (pedágio expresso). Não se sabe ainda qual o problema que a aeronave apresentou, mas foi a colisão que fez o helicóptero pegar fogo.

O motorista do caminhão foi socorrido e teve ferimentos leves, segundo a Polícia Militar.

De acordo com a Abraphe (Associação Brasileira de Pilotos de Helicóptero), o piloto tinha experiência de quase duas décadas como comandante e "seguiu à risca as doutrinas de segurança até o último momento, na tentativa de preservar a vida da tripulação a bordo do helicóptero".

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.