Descrição de chapéu Alalaô

Filhos de Gandhy, 70, leva rituais e vestes do candomblé ao Carnaval da Bahia

Grupo criado por estivadores comemora aniversário nesta semana

Salvador

Os agogôs dão o ritmo enquanto os instrumentos de sopro desenham a melodia. De mãos dadas, turbantes brancos na cabeça, o grupo abre uma roda no meio da rua e coloca uma oferenda sobre o chão de pedras do Pelourinho, em Salvador.

Está começando o padê –cerimônia na qual se pede licença e proteção para Exu, orixá dono da rua. O ritual, feito sempre no domingo de Carnaval, deixa clara a essência de religiosidade do que está por vir.

O Filhos de Gandhy não é um bloco de Carnaval. É um afoxé –e isso faz toda a diferença. O afoxé é o candomblé trazido para a rua, com todos os seus rituais, vestes, adereços, danças e cânticos.

Hoje, o afoxé é uma tradição. Mas há 70 anos, quando um grupo de estivadores do cais do porto de Salvador criou o Gandhy em homenagem ao líder pacifista indiano, morto no ano anterior, a história era outra.

Em 1949, fazia apenas três anos que a Constituição de 1946 havia garantido a liberdade de culto por meio de uma emenda proposta pelo escritor, militante comunista e então deputado federal Jorge Amado. Levar o candomblé dos terreiros para as ruas era uma novidade.

Nesta semana, quando completa sete décadas, o afoxé reafirma sua religiosidade e seus princípios de igualdade, paz e não violência. E se prepara para mais um Carnaval, quando deve levar cerca de 5.000 associados para a rua em cada dia de desfile.

Sua intenção é cada vez mais demarcar-se como um espaço de diversidade dentro do Carnaval. Mesmo assentado no Candomblé, com suas guias azuis e brancas em homenagem a Oxalá e Ogum, quer ser lugar para praticantes de diferentes religiões.

“Vejo o Gandhy como uma nação ecumênica, que respeita religiosidade de todos. O próprio Mahatma já dizia que existe um só Deus e religiões são caminhos”, afirma Gilsonei de Oliveira, presidente da entidade.

O respeito à religiosidade dentro do bloco é levado a sério. Não à toa o afoxé consegue a façanha de ter entre os patrocinadores uma cervejaria, mesmo orientando seus afiliados a não consumir bebidas alcoólicas dentro do cordão.

O bloco desfila apenas com homens, mas há quase 40 anos ajudou a fundar as Filhas de Gandhy, que sai às ruas nos mesmos dias, em cordões separados.

Sua diretoria tem buscado desmistificar uma suposta tradição de trocar as guias que compõem a fantasia por beijos durante o Carnaval. “A gente quer acabar com esta cultura de colar por beijo. Mulher tem que ser conquistada e não assediada”, diz Oliveira.

A história dos Filhos de Gandhy é marcada pela resistência, com altos e baixos. O próprio afoxé surgiu em meio de uma crise: os estivadores desfilavam no bloco Comendo Coentro, que acabou não saindo em 1949 em meio a uma política de arrocho salarial.

A solução foi a criação de um novo cordão. Construíram os próprios instrumentos e trocaram os ternos de linho por lençóis amarrados ao corpo, imitando as vestes indianas e fazendo surgir uma das indumentárias mais marcantes do Carnaval brasileiro.

No final anos 1970, quando vivia um momento de dificuldades, ganhou novo impulso com a chegada do cantor e compositor Gilberto Gil. O convite veio do então presidente Camafeu de Oxóssi, cantor, compositor, dono de barracas no Mercado Modelo e amigo de baianos ilustres como Jorge Amado e Dorival Caymmi.

No documentário "Tempo Rei", Gil relembra o seu encantamento ao ver o Gandhy desfilar no Carnaval durante a sua infância. E afirma que poucas coisas lhe dão mais satisfação do que desfilar no afoxé tocando o seu agogô.

“Me sinto parte integrante, molécula, partícula de uma coisa grande que é o canto e a dança da Bahia, o canto e a dança que vieram da África, a tradição do Candomblé. É um momento insubstituível”, diz.

Os associados, sobretudo os mais antigos, têm discurso semelhante. Como uma entidade sem donos e sem fins lucrativos, o Gandhy se organiza como uma grande família da qual há um grupo mais restrito que participa ativamente do dia a dia do afoxé. Alguns deles desfilam há mais de 50 anos.

O próprio presidente Gilsonei Oliveira, 56, chegou no Gandhy aos 13 anos. Desde então, são 43 desfiles no Carnaval, herança que repassou aos filhos. “Preservo três coisas na minha vida: a devoção a Deus, à família e aos Filhos de Gandhy”, afirma.

Gilberto Gil em desfile do Filhos de Gandhy em 2017
Gilberto Gil em desfile do Filhos de Gandhy em 2017 - Raul Spinassé/Folhapress

Como parte das comemorações dos 70 anos, foi lançada esta semana no Palacete das Artes, em Salvador, uma exposição e um livro do fotógrafo Christian Cravo. Ele acompanhou os últimos três Carnavais, quando fotografou mais de 500 associados do afoxé nos dias de desfile.

O resultado é um trabalho de base antropológica que reflete não a entidade em si, mas os homens que a formam.

“Queria ir além da casca e mostrar quem é o cidadão brasileiro que está por trás desse afoxé, seja um pedreiro, um peixeiro, um cadeirante ou um cego. Aliás, quer coisa mais paradoxal do que um cego em meio à multidão?”, diz.

Cravo destaca o Gandhy como um espaço social de pluralidade, um lugar onde condutas sociais que começam ganhar dimensão nos dias de hoje, como a inclusão de deficientes e aceitação plena dos homossexuais, já estavam presentes há décadas dentro do cordão.

Neste Carnaval, o afoxé desfila no domingo (3) e terça (5) no circuito do Campo Grande, saindo do Pelourinho, e na segunda-feira (4), na Barra. 

Mais uma vez, tomará a avenida com sua plasticidade, um respiro aos olhos em meio aos amorfos abadás dos blocos de trio. E pela 70ª vez, vai transformar as ruas da cidade da Bahia em seu tapete branco da paz. Ajaiô!

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.