Descrição de chapéu Tragédia em Brumadinho

Inhotim vai reabrir neste sábado, duas semanas após tragédia em Brumadinho

Museu estava fechado desde o rompimento da barragem da Vale na cidade

Fabrício Lobel Júlia Barbon
Brumadinho (MG)

O Instituto Inhotim, em Brumadinho (MG), deverá reabrir neste sábado (9). Embora não tenha sido danificado pela lama, o parque está fechado há quase duas semanas, desde o rompimento da barragem da Vale na cidade. 

No dia da reabertura, não haverá cobrança de ingresso aos visitantes —cuja entrada inteira normalmente custa R$ 44—, e o museu funcionará das 9h30 às 17h30. Em homenagem às vítimas da tragédia, a instituição convidará os visitantes a fazer um minuto de silêncio.

 

Sede de um dos principais acervos de arte contemporânea do país, o local foi evacuado à pressas naquele dia por segurança. Cerca de 80% de seus funcionários moram em Brumadinho e 41 têm familiares desaparecidos ou mortos na tragédia

Cinco membros de uma mesma família estão entre os mortos e desaparecidos da tragédia em Brumadinho. Eles estavam hospedados em uma pousada e haviam viajado para conhecer o instituto. 

Segundo o instituto, os funcionários voltaram a trabalhar nesta quarta-feira (6), em programação interna voltada para acolhimento e bem-estar, com atividades como meditação, ioga e rodas de conversa.

O acesso ao instituto pelo centro de Brumadinho (pela rodovia BR-381) está liberado, mas os acessos pela estrada BR-040 estão interditados após o bairro de Casa Branca.

Em nota, o Inhotim disse acreditar que tem um papel fundamental na recuperação da cidade e na superação da tragédia. Muitas pousadas e hotéis foram criados na cidade a partir da sua abertura, em 2006, para abrigar os 350 mil visitantes anuais. 

“Acreditamos que a retomada das atividades do Inhotim será uma das principais forças para ajudar Brumadinho e a região a vencerem essa primeira etapa de luto”, afirma o diretor executivo do instituto, Antonio Grassi, na nota divulgada pelo órgão.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.