Moro autoriza emprego de Força Nacional em presídio de Brasília por 90 dias

Medida é publicada no mesmo dia em que 22 membros do PCC foram transferidos para prisões federais

Brasília

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, autorizou nesta quarta-feira (13) o uso da Força Nacional de Segurança Pública para reforçar as ações de policiamento e vigilância na penitenciária federal de Brasília.

A medida, publicada em edição extra do Diário Oficial da União, ocorre no mesmo dia em que o líder máximo do PCC (Primeiro Comando da Capital), Marco Camacho, o Marcola, foi transferido do interior de São Paulo para o sistema penitenciário federal.

O destino do chefe da organização criminosa não foi divulgado pelo ministério da Justiça, mas o Distrito Federal foi apontado como um dos possíveis destinos de Marcola.

De acordo com a portaria publicada por Moro, o emprego da Força Nacional deve ocorrer “em caráter episódico e planejado, pelo período de 90 dias.” O prazo poderá ser prorrogado.

Além de Marcola, foram transferidos para penitenciárias federais outros 21 membros do PCC. O irmão de Marcola também está entre os transferidos. Grande parte desse grupo integra a cúpula da organização.

O ministro da Justiça autorizou ainda o uso das forças armadas para reforçar a segurança nos presídios federais de Porto Velho (RO) e Mossoró (RN), que também devem receber membros do PCC transferidos.

O período de emprego das forças armadas nesses dois estabelecimentos penais, no entanto, é menor do que o autorizado para Brasília. Os militares reforçarão a segurança em Rondônia e no Rio Grande do Norte até 27 de fevereiro.

Em nota publicada após as transferências, o ministério da Justiça argumenta que “o isolamento de lideranças é estratégia necessária para o enfrentamento e o desmantelamento de organizações criminosas.”

Moro também editou uma portaria nesta quarta-feira que endurece as regras para as visitas sociais nas penitenciárias federais.

Pela portaria, esse tipo de visita será feita exclusivamente por parlatório e videoconferência. As visitas em pátio podem ocorrer para os reclusos que apresentarem “ótimo comportamento carcerário” durante um ano, “desde que autorizado pelo diretor do estabelecimento penal federal.”

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.