Descrição de chapéu Obituário Deborah Cristina Costa (1975 - 2019)

Mortes: Engajada, jornalista gostava de compartilhar o bem

São Paulo

Na adolescência, a joseense Deborah Cristina Costa sonhava em ser médica. Ela dizia que queria salvar vidas com seu trabalho, mas devido as dificuldades de ingresso ao curso, acabou mudando a escolha e estudou jornalismo. "Ela se encantou com o curso, achou tudo maravilho e se identificou já nos primeiros dias", lembra o pai, Dinho.

Deborah Cristina Costa (de chapéu), com familiares
A jornalista Deborah Cristina Costa (de chapéu), com os pais e o marido - Arquivo Pessoal

Não à toa a jovem se empenhou desde cedo para ingressar no mercado. Ainda na faculdade viveu uma experiência marcante. Após uma viagem para Cuba, escreveu uma reportagem sobre a juventude cubana e as opções de lazer na vida noturna. Conseguiu que o material fosse publicado no caderno Folhateen, da Folha, onde veio a trabalhar tempos depois, na sucursal do Vale do Paraíba.

Dona de um sorriso largo e um olhar marcante —herdou os olhos verdes dos avós—, ela tinha firmeza nas palavras e nas ações. Fazia questão de manter sua identidade, a começar pela pronúncia do nome que às vezes gerava confusão. "Meu nome é Deborah", dizia, indicando que a sílaba tônica era a última do nome de origem francesa.

Foi no jornalismo que ela conheceu o marido Carlos Eduardo, seu companheiro por uma década. Ao lado dele, adotou quatro gatos e dois cachorros. Muito ligada à família, ela se esforçava para ver todos bem. 

Deborah enfrentou um câncer em 2017 e comemorou a cura após um intenso tratamento. Ela queria abrir uma ONG para apoiar pacientes da doença, mas morreu no dia 11 de fevereiro, aos 42 anos, semanas após descobrir metástase. Ela usou as redes sociais para compartilhar otimismo e influenciar positivamente as pessoas até o fim. Deixa os pais, o irmão e o marido.


coluna.obituario@grupofolha.com.br

Veja os anúncios de mortes

Veja os anúncios de missas​​

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.