Descrição de chapéu Tragédia em Brumadinho

Sirenes em Brumadinho estão intactas, ao contrário de discurso inicial da Vale

Elas soaram dois dias após a tragédia, quando empresa suspeitou que outra represa poderia ruir

Fabrício Lobel Júlia Barbon
Brumadinho (MG)

Ao menos duas sirenes que ficam próximas a áreas devastadas pela lama em Brumadinho (MG) estão intactas, o que contraria o discurso inicial da Vale de que elas não tocaram no momento da ruptura da barragem porque foram destruídas pelos rejeitos.

Ambas estão num bairro rural onde já foram achados no mínimo dez corpos —possivelmente vindos da sede da mineradora—​, o Parque da Cachoeira. Elas inclusive soaram dois dias após a tragédia, na madrugada de 27 de janeiro, quando a empresa suspeitou que outra represa, desta vez de água, poderia ruir.

“Quando era para funcionar, ela não funcionou. Só foi ligar no domingo. Era um som contínuo, longo, e depois uma gravação dizendo para se abrigar”, relata um morador que consegue ver um dos aparelhos de seu quintal. Ali, ele perdeu parte de sua plantação de mandioca.

O presidente da Vale, Fabio Schvartsman, chegou a dizer na última quinta (31) que os alarmes foram “engolfados” na tragédia, há 12 dias. "Houve um rompimento muito rápido, e o problema é que a sirene que ia tocar foi engolfada pela queda da barragem antes que ela pudesse tocar", ele afirmou à imprensa.

Dois dias depois, porém, a versão oficial da mineradora mudou. A justificativa para os equipamentos não terem sido acionados passou a ser apenas a velocidade da ruptura, conforme uma nota divulgada, sem uma explicação de como o sistema funcionava.

A empresa diz apenas que o alerta sonoro era acionado manualmente, por uma central que fica fora da mina do Córrego do Feijão e funciona 24 horas por dia —o chamado Centro de Controle de Emergências e Comunicação (Cecom), cuja localização não foi informada.

O que o plano de emergência (o PAEBM) previa era que, uma vez constatada a ruptura, o coordenador do PAEBM deveria avisar o Cecom. Este, por sua vez, acionaria as seis sirenes nas comunidades do entorno, e a população se deslocaria imediatamente para rotas e pontos de encontro previamente informados.

Ao menos um dos funcionários desses setores morreu na tragédia: Alano Teixeira, coordenador suplente do PAEBM, equipe que ficava dentro da sede. A Folha ligou para o coordenador titular, Marco Conegundes, também citado no documento, e perguntou o que aconteceu, mas ele disse que não poderia comentar o assunto e recomendou que a reportagem procurasse a assessoria de imprensa da empresa.

Apesar de a Vale garantir que foi feito um simulado de emergência com a comunidade em junho de 2018, sob coordenação das Defesas Civis, parte dos moradores diz que até hoje não sabe quais locais são seguros em caso de rompimento.

Um deles é o produtor rural Guilherme de Oliveira, 26, que vive em Parque da Cachoeira. Ele conta que funcionários da empresa passaram informando que, se as sirenes instaladas há dois ou três meses perto da sua casa tocassem, a família deveria correr. “Mas correr pra onde eu ainda não sei”, critica. 

Segundo o engenheiro Moacyr Duarte, consultor na área de análise de risco e planejamento de emergência, independentemente do sistema de sirene adotado, o grande problema é o plano não considerar um cenário chamado de “ruptura catastrófica”, que foi o que ocorreu.

“Quando se faz a simulação desse cenário no computador, usando um modelo matemático, e se vê que não haveria tempo hábil para avisar ninguém, a primeira providência é eliminar da área tudo que é sensível, todas as edificações. Mas o plano da Vale é feito para um cenário de ruptura lenta”, afirma.

Ao ser questionada novamente nesta terça (5) sobre a falha nas sirenes, a Vale se limitou a declarar que “ainda está apurando as causas que impediram o apropriado acionamento do sistema”. Também não respondeu se havia um plano B.

Enquanto as investigações não são concluídas, os moradores continuam se perguntando se algo teria mudado caso o alarme tivesse soado naquela sexta-feira. “Fico pensando que muita gente poderia ter se salvado”, diz Guilherme.​

Erramos: o texto foi alterado

Diferentemente do informado, Mauricio Lemes, que trabalhava na mina do Córrego do Feijão, não morreu no rompimento da barragem em Brumadinho (MG). Quem morreu foi o motorista Mauricio Lemos. O texto foi corrigido.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.