SP registra primeiros 2 acidentes com patinete em que seguro é chamado

Casos aconteceram em ciclovias; neste sábado, prefeitura dá 1º passo para regulamentação

Ana Estela de Sousa Pinto
São Paulo

Na semana em que a Prefeitura de São Paulo dá o primeiro passo para regulamentar o uso de patinetes elétricos na cidade, foram registrados os dois primeiros acidentes com o veículo que levaram ao acionamento de seguro.

No primeiro plano, o capacete de um motociclista, umamoça sobre um patinete cruza a rua, seguida por ciclistas. Atra´s há carros e moto esperando o sinal abrir
De patinete, moça cruza a av. Presidente Juscelino Kubitschek na ciclovia da avenida Faria Lima, em São Paulo - Eduardo Knapp/Folhapress

Os casos aconteceram na última terça (29) e quarta (30), com patinetes da empresa Grin, que tem parceria com a seguradora HDI.

Num deles, uma condutora caiu e se machucou. No outro, um pedestre foi atingido pela patinete —o condutor, nesse caso, não se feriu. Os acidentes aconteceram em duas ciclovias, a da av. Faria Lima (na altura do cruzamento com a Cidade Jardim) e a da Engenheiro Luís Carlos Berrini, ambas na zona sul da cidade.

Até as 19h30 desta sexta (1º), nem a Grin nem a HDI tinham mais detalhes sobre os danos causados nos dois acidentes.

Foram os primeiros registros desde que a Grin começou a operar na cidade, em agosto. A empresa tem hoje em São Paulo cerca de mil veículos, que já rodaram mais de 4 milhões de minutos, segundo a cofundadora da empresa, Paula Nader.

Ela diz que estimular o uso seguro das patinetes é prioridade. “A gente sempre recomenda o uso de capacete, lembra que a patinete só pode ser usado por uma pessoa de cada vez, que é preciso manter as duas mãos no guidão, os dois pés na prancha, não usar celular, não fazer selfie nem vídeo.”

A  Yellow, que nesta semana anunciou sua fusão com a Grin numa nova holding batizada de Grow, afirma que a seguradora contratada, a Sompo, ainda não foi acionada em nenhum sinistro.

Ainda sem uma regulamentação municipal específica, o uso desses veículos é disciplinado por resolução do Contran (Conselho Nacional de Trânsito), que permite o tráfego em ciclovias e ciclofaixas a no máximo 20 km/h, e em calçadas, com velocidade máxima de 6 km/h.

O secretário municipal de Mobilidade e Transportes, Edson Caram, defende que em São Paulo seja proibido andar sobre as calçadas. “A prioridade tem que ser para os pedestres. Nossas calçadas hoje não são tão largas ou adequadas às vezes nem para o pedestre. Não dá para dividir com ciclista ou patinete.”

Caram também defende reduzir a velocidade máxima: “É muito perigoso trafegar  a 20 km/h na ciclovia. Se houver uma batida com outro veículo em direção contrária, o impacto dobra, o risco é maior ainda”.

Sobre a velocidade máxima nas ciclovias, Paula, da Grin, afirma que é preciso adotar com a patinete o mesmo comportamento que se tem com um carro. “Não é porque ele pode chegar a 250 km por hora que o motorista vai chegar a essa velocidade. E, se a condição da pista não é boa, é preciso reduzir.”

A executiva, que usa patinetes todos os dias, conta que em alguns pontos da ciclovia  chega a parar e apoiar o pé no chão, quando preciso.

“Como qualquer novo hábito, é preciso um aprendizado, criar uma cultura. As pessoas precisam entender melhor como usar a ciclovia e os novos meios de transporte. Parte do nosso sucesso é que os usuários se sintam cada vez mais seguros e confortáveis.”

A parceria da Grin com a HDI para atender aos usuários havia sido anunciada no começo do mês passado. “A seguradora desde o começo quis endossar a segurança do serviço. E a Grin quer enfatizar a necessidade da condução segura, que é o que interessa”, diz Paula.

Segundo a seguradora, a cobertura é feita em sistema de reembolso, para despesas médicas, hospitalares e odontológicas, até um limite de R$ 1.250.

Novas regras

Neste sábado (2), a prefeitura publica no Diário Oficial um edital de chamamento, primeiro passo para começar a discutir regras para esse modal de transporte.

As empresas interessadas em atuar na cidade de São Paulo terão que se apresentar, entregar documentos e assinar um termo de responsabilidade em que se comprometem a acompanhar o usuário e os locais em que seus veículos estão transitando ou sendo estacionados.

O prazo para receber as inscrições vai até o dia 18 e, a partir daí, prefeitura, empresas, organizações não governamentais e outros interessados devem discutir regras como, por exemplo, onde as patinetes poderão circular, com que velocidade, se podem ou não usar as calçadas e onde podem ficar parados.

Além da proibição das calçadas e da redução da velocidade máxima, a prefeitura quer incluir na negociação sistemas de incentivo que levem os usuários a devolver os patinetes em estações próprias e onde ficarão esses pontos de estacionamento.

Também foi aberto a consulta pública um projeto de lei que organiza os serviços de compartilhamento de patinetes e bicicletas e cria parâmetros para integrá-los à rede tradicional de transportes, incluindo terminais de ônibus e estações de trem e metrô.

De autoria do vereador Police Neto (PSD), o texto autoriza o poder público a criar convênios público-privados para melhorar e ampliar ciclovias e ciclofaixas e estabelece diretrizes para que o município receba contrapartida pelo uso comercial do espaço público.

O vereador diz que a cidade pode se beneficiar se sair na frente para criar um marco regulatório enquanto o número de veículos ainda é pequeno, em relação à população.

“Temos apenas um milhar de patinetes, para milhões de habitantes. Há cidades em outros países que chegam a 40 mil para 800 mil moradores”, diz.

Em países como EUA, Israel e Espanha, o risco de acidentes levou até à proibição dos veículos. Três empresas foram expulsas de  Madri em dezembro por não cumprirem regras da prefeitura, que estabeleceu um número máximo por bairro e proibiu a circulação nas calçadas.

Em dezembro, uma mulher de 90 anos morreu atropelada por um patinete em Barcelona, cidade que emitiu mais de 3.000 multas a patinadores em 2018, por excesso de velocidade ou até mesmo por falar ao celular ao conduzir.

Cidades como San Francisco, na Califórnia, berço das startups de mobilidade, ordenaram a retirada das patinetes até que fossem criadas regras para o serviço.

Principais riscos

No principal centro de referência da cidade para acidentes graves de trânsito, o Hospital das Clínicas, ainda não chegaram casos de vítimas de patinetes ---nem de usuários nem de pedestres que tenham sido abalroados por elas---, diz o traumatologista do Instituto de Ortopedia Marcos Leonhardt.

“Espero que não aconteça, mas, se não houver uma legislação específica que discipline melhor o uso, é só uma questão de tempo”, afirma o médico, que costuma atender casos graves de acidentes com pedestres todos os dias e 1 a 2 casos de ciclistas por mês.

Leonhardt ressalta que a velocidade tem relação direta com a gravidade das lesões no caso de um acidente. Um impacto a 20 km por hora (velocidade máxima permitida nas ciclovias pela norma federal) equivale a uma queda de 3 metros de altura, relata ele.

As principais fraturas costumam ocorrer nas mãos, pulsos, cotovelo e ombros. Sem capacete, cresce  muito o risco de traumatismo craniano, que pode levar à morte.

O médico diz que, no caso de um atropelamento, membros superiores também são pontos mais expostos, porque a vítima tende a se proteger. Idosos e crianças correm riscos de lesões mais graves, tanto porque seus ossos são mais frágeis quanto porque seus reflexos são mais lentos.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.