Descrição de chapéu Governo Bolsonaro

Bolsonaro e Bretas defendem que polícia mate se precisar

Em debate nas redes sociais com juiz, presidente retoma bandeira de campanha

O presidente Jair Bolsonaro - Marcos Corrêa-28.fev.19/PR
Brasília

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) voltou a defender nesta terça-feira (5) uma bandeira de campanha, a previsão legal para que a polícia mate.

“É urgente que o Congresso aprecie matérias para que os agentes de segurança pública ou não usem da letalidade para defender a população, caso precisem e estejam amparados por lei”, afirmou, em rede social.

A reportagem perguntou à assessoria da Presidência o que Bolsonaro quis dizer com o emprego de “ou não” em sua declaração. "O Planalto não comenta" foi a resposta.​

O presidente reagia ao comentário do juiz Marcelo Bretas, responsável pela Operação Lava Jato, no Rio de Janeiro, sobre o tema.

Na segunda-feira (4), o magistrado disse na mesma rede social que, “em determinadas circunstâncias, que só podem ser avaliadas casualmente e pelas autoridades competentes, a POLÍCIA DEVE usar a força e eventualmente até mesmo MATAR. Isso não é novidade. Está na lei”.

As maiúsculas foram empregadas por ele.

Bretas, por sua vez, manifestava-se sobre uma notícia publicada pela jornalista Mônica Bergamo, colunista da Folha.

Ela indicou a leitura de uma reportagem do UOL, do Grupo Folha, com o título “Em SP, 64% das pessoas mortas pela PM [Polícia Militar] no ano passado eram pretas ou pardas”. E acrescentou o comentário, todo em maiúsculas: Polícia mata.

“Policiais também morrem...”, disse Bretas.

Bolsonaro entrou no debate no dia seguinte. Justificou a necessidade de haver previsões para a polícia matar “para que possamos resgatar a paz diante do terror que vivemos em todo Brasil”.

Bretas compartilhou o comentário de Bolsonaro e se disse “honrado pela citação”.

Sem agendas públicas no Carnaval, o presidente recebeu o ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, no Palácio do Alvorada, onde reside, nesta manhã. Não houve mais movimentações no restante do dia.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.