Covas desidrata vitrines de Doria e se descola da imagem de antecessor

Trabalho Novo e Corujão da Saúde perderam espaço; gestão diz que mantém projetos pactuados

Artur Rodrigues Guilherme Seto
São Paulo

Prestes a completar um ano à frente do cargo, o prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), desidratou programas que eram vitrines de seu antecessor, o atual governador João Doria (PSDB), e dá sinais de que tenta se distanciar da imagem dele.

Covas assumiu em abril de 2018, quando Doria deixou o cargo para se candidatar ao governo estadual. Desde então, o novo prefeito, aos poucos, foi apagando as marcas do antecessor, enquanto a desconfiança mútua crescia. 

Dos três programas da gestão mais associados à imagem de Doria, dois deles não são mais realizados e um terceiro é mantido sob outro nome e com pouco destaque. 

O projeto Trabalho Novo, que dava emprego a pessoas em situação de rua, acabou oficialmente no início deste mês. A meta era contratar 20 mil pessoas, mas o saldo final foram 5.300 pessoas capacitadas e 2.626 contratações realizadas, das quais 1.233 continuam empregadas.

A prefeitura anunciou edital para contratar organização social para dar continuidade ao serviço especificamente de capacitação, com o nome Acessuas Trabalho.

O Corujão da Saúde, vitrine que Doria levou para o governo estadual, não foi e nem deve ser reeditado. Segundo a atual gestão, o programa de contratação de hospitais privados para realizar exames foi "uma solução pontual para regularizar uma demanda de 485,3 mil exames de imagem". A fila, porém, voltou a crescer. 

O programa de zeladoria Cidade Linda —cuja marca foi vetada pela Justiça após Doria usá-la para promover a própria imagem —deu lugar à Operação Grandes Corredores. 

Com fundamento parecido, de promover ações pontuais aos finais de semana, o projeto hoje passa despercebido sem a divulgação massiva e a presença obrigatória do secretariado e do prefeito--que, na gestão Doria, se vestiam de garis e colocavam a mão na massa. 

Um dos eixos do Cidade Linda, o muro verde na avenida 23 de Maio vai desaparecendo por falta de cuidado.

Na mobilidade, o Rapidão, projeto para a construção de um corredor de ônibus propagandeado por Doria, pode minguar numa futura revisão do plano de metas, indica a gestão Covas. 

"O Doria, na verdade, tinha um projeto de marketing. Os projetos dele para a cidade não tinham concretude, não se transformaram em algo em benefício da população. O que o Covas abandonou, então, foi esse projeto de marketing, já que ele tem outro perfil e não adota esse procedimento", diz o vereador petista Antonio Donato. 

O governador de São Paulo, João Doria, e o prefeito da Cidade de São Paulo, Bruno Covas, assinam protocolo para concessão das marginais
O governador de São Paulo, João Doria, e o prefeito da Cidade de São Paulo, Bruno Covas, assinam protocolo para concessão das marginais - Governo do Estado de São Paulo

O cientista político Marco Antonio Teixeira, da FGV, diz que Covas se distancia de uma gestão impopular e de alguém que, mesmo eleito governador, perdeu em votos para Márcio França (PSB) na capital. 

"A gente está falando de programas de uma gestão que não foi bem avaliada pelo paulistano. É compreensível Covas não querer herdar símbolos dessa gestão", diz Teixeira. 

Ele lembra também que o tucano hoje disputa espaço no PSDB com Doria --que cogita escolher outro candidato para apoiar na sucessão à prefeitura, conforme revelou a Folha. 

Covas tenta associar o nome ao do avô Mario Covas, ao adotar o slogan "Covas sendo Covas", mas tem sido muito comparado com o ex-prefeito Fernando Haddad (PT), por acenar ao eleitorado progressista das regiões centrais. 

 

Um desses acenos está na decisão de transformar o Minhocão em parque --uma das apostas de futura marca. Outro foi a escolha do secretário da Cultura, Alê Youssef, um agitador cultural progressista e ligado a blocos de carnaval.

Covas cumpriu acordo de manter o secretariado de Doria nos primeiros meses após a saída dele. Mas, um ano depois, 19 nomes foram trocados e apenas cinco permanecem. 

Queridinha de Doria, a pasta de Desestatização perdeu status de secretaria. Já a de Direitos Humanos reapareceu. 

Na chefia das pastas, saíram empresários e entraram políticos ligados a diversas alas do PSDB. Esse grupo inclui João Cury Neto, expulso do partido por ala ligada a Doria após apoiar o ex-governador Márcio França. Aliados tentam colocar panos quentes na relação de Covas com o governador --que, publicamente, segue sendo só de sorrisos e de parcerias.

"O prefeito Bruno Covas dá continuidade à gestão João Doria. O Bruno tem estilo próprio, personalidade e coragem próprias. Isso não significa distanciamento. Além disso, a prefeitura é parceira do governo e vice-versa", diz o presidente da Câmara, Eduardo Tuma (PSDB), ex-secretário de Covas. 

A gestão Covas diz que "mudanças na organização administrativa não têm impacto nos projetos pactuados". 

Sobre o fim do programa Trabalho Novo, a gestão afirmou que se trata de uma nova fase que se propõe a garantir "direitos das pessoas em situação de vulnerabilidade e/ou risco social a partir do acesso aos serviços e da inclusão no mundo do trabalho". 

Já a continuação do Cidade Linda, em 2018, resultou na limpeza de 17.612 bocas de lobo e 1.275 buracos tapados, entre outros. Ainda segundo a gestão, o Corujão da Saúde, apesar de pontual, diminuiu a média de espera de 72 dias, em 2016, para 40, em 2018.

Questionada sobre o Rapidão, a gestão afirma que o foco agora é manutenção dos corredores.

Veja as mudanças na gestão Covas:

Trabalho Novo
Focado em emprego para moradores de rua, foi encerrado sem cumprir a meta de 20 mil vagas. Gestão fala em nova fase

Corujão da Saúde
Programa de realização de exames médicos não foi reeditado e nem deve ser, apesar da fila ter voltado a crescer. Administração diz que programa foi pontual

Cidade Linda
Programa de zeladoria mudou de nome para Operação Grandes Corredores e perdeu destaque. Prefeitura cita 226 ações, cobrindo 700 Km de vias da cidade em 2018

Rapidão
Via exclusiva para ônibus prometida em campanha deve sumir dos planos da prefeitura, que cita foco em manutenção

Doações
Covas deixou de estimular doações à prefeitura. Gestão diz que ainda recebe doações

Secretariado
Apenas cinco nomes do primeiro escalão de João Doria foram mantidos e 19 foram trocados

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.