Descrição de chapéu Obituário Bruno Alberto Coelho dos Santos (1972 - 2019)

Mortes: Criador do 'catuçaí', Brunão espalhou amor aonde foi

Chamada de "drink do amor", mistura de catuaba e açaí virou hit no Carnaval mineiro

Anna Satie
São Paulo

Foi numa viagem à Bahia que Brunão conheceu o "catuçaí". Uma amiga apresentou a mistura de catuaba e açaí e inspirou o mineiro e um amigo a investirem na bebida.

O começo foi lento: venderam dois copos em duas semanas. Ninguém queria se arriscar a experimentar a novidade.

O negócio estourou mesmo no Carnaval de rua de Belo Horizonte, em 2014. O êxito motivou Brunão a ampliar a operação, trazer novidades e fazer novas misturas. Separou-se do sócio, Fernando, mas mantiveram o bom relacionamento.

Em 2016, o catuçaí já era figura carimbada nos blocos da capital mineira, aparecendo nos jornais, na TV e na mão de muitos foliões. Ficou conhecido como "o drink do amor".

Apaixonado por gente e por festa, Brunão atendia sempre com um sorriso largo no rosto. Seu filho, Rórion, acredita que esse era o segredo do seu sucesso. "Dava para ver que, além de estar lá trabalhando, também era um grande amigo", conta.

Na entressafra dos Carnavais, continuava oferecendo o produto em festas e eventos belo-horizontinos.

Em 2017, foi visitar os filhos, que moram em Londres, e ficou por seis meses. Trabalhou como zelador no estádio de Wembley e sempre vinha para casa com algo diferente.

"Ele achava absurdo que produtos bons fossem parar no lixo e pedia para levar sacos plásticos, luvas e outras coisas. Já faz dois anos e a gente ainda tem algumas das tranqueiras que ele trouxe", ri o filho.

Brunão sonhava em expandir o negócio para a Inglaterra e planejava montar uma operação lá dentro de dois anos.

Não deu tempo. Morreu na sexta-feira (15), aos 47 anos, após um ataque cardíaco. Deixa dois filhos e uma multidão de amigos.


coluna.obituario@grupofolha.com.br

Veja os anúncios de mortes

Veja os anúncios de missas​​

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.