Funcionário de vereador em SP dá expediente em shopping center

Zhu Xuanchu é contratado como coordenador em gabinete de George Hato (MDB) por R$ 14,5 mil

Artur Rodrigues Rogério Gentile
São Paulo

Um funcionário de gabinete do vereador paulistano George Hato (MDB) recebe R$ 14,5 mil mensais para trabalhar em um cargo de chefia, mas dá expediente em um shopping na avenida Paulista.

O chinês Zhu Xuanchu é contratado como coordenador especial. A Folha constatou que ele passa boa parte das tardes no Market Paulista, espaço com boxes de produtos e serviços relacionados a celulares.

Em dias aleatórios, desde a última quinzena de fevereiro, a reportagem tem telefonado para o escritório de Zhu no estabelecimento comercial. 

Em todas as vezes, a resposta foi a de que ele estava ali. Segundo a atendente, Zhu costuma permanecer no escritório no período da tarde. 

No dia 26 de fevereiro, por exemplo, a ligação foi repassada ao próprio Zhu, mas a conversa foi interrompida logo após ele ter atendido. 

A Folha também procurou o funcionário no gabinete da Câmara. A servidora que atendeu a ligação disse que ele não costumava frequentar o local.

Em nota, a assessoria do vereador afirmou que o "expediente no shopping não traz prejuízo em seu trabalho como assessor parlamentar".

Zhu milita no chamado PTB oriental, que reúne empresários estrangeiros. Em 2017, deu entrevista ao jornal durante ato partidário e foi apresentado como dono de dois shoppings na avenida Paulista, entre os quais o Market Paulista.

No final da tarde desta quinta (7), a Folha telefonou novamente para o shopping. Em entrevista, o empresário afirmou que passara a tarde na Câmara, no gabinete de Hato.

Cerimônia de posse do empresário chinês Fernando Zhu Xuanchu como novo presidente do PTB Oriental, em São Paulo (SP), em 2017
Cerimônia de posse do empresário chinês Fernando Zhu Xuanchu como novo presidente do PTB Oriental, em São Paulo (SP), em 2017 - Adriano Vizoni/Folhapress

Além de dar expediente no shopping, o empresário tem o hábito de viajar ao exterior. Desde 2017, quando foi contratado pelo gabinete, de acordo com suas postagens em redes sociais, esteve na China, nos Estados Unidos e em quatro países europeus (Itália, Espanha, França e Turquia) ao longo de oito meses diferentes.

A família de Zhu Xuanchu desembarcou no Brasil em 1989, seguindo "a vontade de conhecer o capitalismo". Hoje, além dos dois shoppings, tem uma empresa que exporta minérios para estatais chinesas –principalmente nióbio.

A função de assessor têm rendido acesso a políticos importantes. Nos últimos anos, Zhu postou foto ao lado do prefeito Bruno Covas (PSDB), do ex-presidente Michel Temer (MDB), do ex-governador Geraldo Alckmin (PSDB) e muitas imagens com Campos Machado (PTB).

Nas redes sociais, Zhu se refere ao vereador George Hato como "irmão". Os dois posaram juntos para fotografia no aniversário de um ano do Market Paulista, em 2014. A família Hato também tem um shopping, localizado em Diadema, na Grande São Paulo.

OUTRO LADO

À Folha, Zhu Xuanchu afirmou conciliar os dois trabalhos e disse achar "errado a reportagem perseguir" sua vida.

"Uma coisa seria eu não trabalhar e causar prejuízo para a sociedade. Outra é eu [estar] trabalhando. Sou assessor do gabinete, assessoro o vereador da melhor maneira possível e tenho o meu trabalho também", disse. 

Ele negou administrar o shopping, embora a assessoria do vereador Hato tenha afirmado à Folha que ele é um "empresário bem sucedido". 

Zhu afirmou que, na tarde de quinta, estava na Câmara. A assessoria de Hato enviou uma foto do funcionário com o vereador e o presidente da Casa, Eduardo Tuma (PSDB). 

Ele teria adotado o nome Fernando e isso confundiu a atendente que falou com a Folha, diz a assessoria. "Devido à dificuldade da pronúncia do seu nome chinês [Xuanchu –em chinês o sobrenome precede o nome], todos só o conhecem por Fernando, inclusive a equipe do vereador." 

Vereador George Hato, do MDB, que contratou Zhu Xuanchu como coordenador especial em gabinete
Vereador George Hato, do MDB, que contratou Zhu Xuanchu como coordenador especial em gabinete - Reprodução

Em nota, a equipe afirma que "Fernando não foi contratado por ser 'dono de shopping', e sim por sua ampla capacidade profissional e formação curricular, além de ser muito trabalhador e honesto". 

Segundo o comunicado, ele "está à disposição dos assuntos do gabinete 24h devido ao fuso horário". Parte do expediente seria cumprido no escritório político do legislador, na Praça da Árvore, na zona sul.
Entre as funções, diz o texto, estão intermediação com o governo chinês, recepção da comunidade chinesa, intérprete em comitivas internacionais, articulação política e captação de demandas. 

"Ele atende as demandas do gabinete nas 24h que é solicitado, inclusive nas madrugadas, finais de semana e feriados", diz a nota. "Seu expediente no shopping não traz prejuízo em seu trabalho como assessor parlamentar".

Segundo o gabinete, as viagens citadas foram a trabalho ou em férias. "Todos os voos para a China têm escala que, dependendo da companhia aérea, é feita via Estados Unidos, Europa e ou Oriente Médio, o que às vezes o obriga a dormir em algum país por ser escala do próximo trecho".

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.