Major Olímpio diz que tragédia em Suzano seria evitada se professores estivessem armados

Senador do PSL também defendeu a redução da maioridade penal ao comentar o ocorrido

Guilherme Seto
São Paulo

O senador Major Olímpio (PSL-SP) afirmou nesta quarta-feira (13) que o massacre que deixou ao menos oito pessoas mortas na escola estadual Professor Raul Brasil em Suzano, na região metropolitana de São Paulo, teria sido evitado caso os funcionários da escola estivessem com armas.

O senador, um dos mais destacados apoiadores do presidente Jair Bolsonaro (PSL), tem como suas principais pautas a revogação do estatuto do desarmamento e a redução da maioridade penal.

"Se tivesse um cidadão com arma regular dentro da escola, professor, servente, um policial militar aposentado, ele poderia ter minimizado o tamanho da tragédia. Vamos, sem hipocrisia, chorar os mortos e discutir a legislação, e onde estamos sendo omissos ", disse Olímpio durante reunião da Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania do Senado.

À Folha Olímpio detalhou o raciocínio.

"Para você enfrentar uns demônios armados desses só mesmo com instrumentos semelhantes. Se a legislação no Brasil permitisse o porte de armas, um cidadão de bem na escola, seja um professor ou um servente, evitaria a tragédia, impedindo que prosseguissem a marcha da morte deles", disse.

"Eu estava mostrando a hipocrisia do argumento do desarmamento. O Estado brasileiro tem sido omisso, em todas as áreas. Milhões de armas clandestinas circulam pelo Brasil. Pode acontecer a qualquer momento e em qualquer lugar do país [uma tragédia igual]. É uma questão de ânimo e oportunidade para realizar. Hoje, quem quer arma irregular no Brasil não tem dificuldade em obtê-la", concluiu.

Em nota, Olímpio acrescentou que "a política desarmamentista fracassou" e que não pode "deixar que os aproveitadores se utilizem da tragédia para falar que o desarmamento é solução, essas armas são ilegais e foram obtidas e usadas por adolescentes".

O senador Major Olímpio (PSL) defende a revogação do estatuto do desarmamento
O senador Major Olímpio (PSL) defende a revogação do estatuto do desarmamento - Rafael Hupsel/Folhapress

O senador aproveitou para também fazer a defesa da redução da maioridade penal. Ele é autor de projeto de lei que prevê a possibilidade de prender qualquer pessoa a partir dos 12 anos após avaliação psicológica.

“Nossas escolas deviam ser lugar de proteção para nossas crianças e infelizmente não estão seguras. Precisamos urgentemente rever a nossa política de segurança pública, bandido não tem idade, e essa tragédia apenas reafirma que precisamos reduzir a maioridade penal já."

Segundo a Polícia Militar, quatro estudantes e dois funcionários —entre eles a coordenadora— foram mortos na escola, em Suzano, e um outro aluno morreru após ser levado ao hospital. O dono de uma locadora de veículos e tio de um dos atiradores, também foi morto pela dupla antes do massacre no colégio.

Os disparos foram feitos por volta das 9h30, por Luiz Henrique de Castro, 25, e Guilherme Taucci Monteiro, 17. A dupla levava um revólver calibre 38, uma besta e artefatos explosivos.

Há ao menos outras dez pessoas feridas, duas em estado grave, de acordo com o Corpo de Bombeiros.

OUTROS CASOS

Já houve no país ao menos outros oito casos similares ao de Suzano com atiradores (alunos ou não) dentro de escolas abrindo fogo contra estudantes e outras pessoas. 

Em Salvador, um jovem de 17 anos matou duas colegas dentro da sala do colégio particular Sigma e foi preso em flagrante. À época, em 2002, a delegada encarregada do caso afirmou que o revólver calibre.38 utilizado pelo garoto pertencia ao pai, que era perito policial.

Em janeiro de 2003, em Taiúva (a 363 km de São Paulo), Edmar Aparecido Freitas, 18, ex-aluno da escola estadual Coronel Benedito Ortiz, invadiu o pátio da instituição, atirou em alunos, professores e funcionários e depois se matou. 

Em abril de 2011, em Realengo (zona oeste do Rio), doze adolescentes –dez meninas e dois meninos– morreram no massacre da escola municipal Tasso da Silveira. Eles foram vítimas de Wellington Menezes de Oliveira, 23, que atirou contra as vítimas na sala de aula.

No mesmo mês, um adolescente de 14 anos que se disse vítima de bullying matou um colega com golpes de faca no interior do Piauí. O caso ocorreu na zona rural da cidade de Corrente, no extremo sul do Estado.

Também em 2011, mas em setembro, um aluno de 10 anos de idade que estava no 4º ano atirou na professora Rosileide Queiros de Oliveira, 38, e depois se matou na escola Professora Alcina Dantas Feijão,  em São Caetano do Sul (Grande São Paulo).

Em abril de 2012, um adolescente de 16 anos atirou em outras três alunas de escola estadual de Santa Rita (região metropolitana de João Pessoa, na Paraíba). O objetivo do rapaz era acertar um menino de 15 anos com quem havia discutido duas vezes.

Em outubro de 2017, quando um adolescente de 14 anos matou dois colegas e feriu outros quatro, em Goiânia. O jovem utilizou uma pistola .40 da mãe, que assim como o pai é policial militar. Segundo a Polícia Civil, na época, o adolescente foi motivado por bullying. 

Já em 2018, um estudante de 15 anos atirou contra colegas em um colégio no Paraná, deixando dois feridos.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.