Descrição de chapéu Rio de Janeiro

Corpo de última vítima é encontrado pelos bombeiros em Muzema

Chega a 23 o número de mortos no desabamento de dois prédios na zona oeste do Rio

Rio de Janeiro

​Os bombeiros encontraram o corpo da última vítima considerada desaparecida nos escombros da tragédia em Muzema, na zona oeste do Rio de Janeiro, por volta da meia-noite deste domingo (21). 

A mulher foi identificada como Juliana Martins de Souza Vicente, 28. Com isso, chegou a 23 o número de mortos na queda de dois prédios ocorrida há nove dias, na sexta-feira (12).  Na tarde deste sábado (20), foram resgatados os corpos de dois meninos

O desabamento de dois prédios no condomínio Figueiras de Itanhangá também teve oito feridos, sendo que três deles continuam internados em hospitais do Rio de Janeiro.

Com o último corpo encontrado, os bombeiros deram por encerradas as buscas nos escombros dos prédios na Muzema. 

A corporação informou que foram mais de 200 horas de trabalho ininterruptas na procura por sobreviventes. Dez pessoas foram encontradas com vida, mas duas morreram posteriormente em unidades de saúde.

O exército auxiliou nos trabalhos. Ao longo de nove dias, atuaram na operação cerca de cem militares que ajudaram nas buscas, além de cães farejadores, drone, helicópteros, ambulâncias e viaturas de recolhimento de cadáveres.

Os edifícios localizados no condomínio Figueiras de Itanhangá eram considerados irregulares, e 16 tiveram ordem de interdição e serão demolidos, informou a prefeitura. 

A região onde aconteceu a tragédia é dominada por milícias. Os milicianos atuam com grilagem de terras em Rio das Pedras e na comunidade de Muzema. 

A Justiça decretou na última sexta (19) a prisão temporária, por 30 dias, de três investigados no desabamento dos dois prédios. 

Vítimas apontaram José Bezerra de Lima, o Zé do Rolo, como o construtor dos imóveis, e Renato Siqueira Ribeiro e Rafael Gomes da Costa como os corretores responsáveis pela venda.

Eles são apontados como os responsáveis por construir e comercializar as unidades. O trio é considerado foragido.

Os três ainda são investigados por envolvimento com as milícias, segundo disse a Polícia Civil do Rio de Janeiro, em nota enviada na útima sexta.

A 16ª delegacia de polícia, na Barra da Tijuca, apura se houve, por parte dos construtores, inobservância do dever de cuidado e descumprimento de normas afetas à construção.

Já o Draco (Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas) está ajudando na investigação de envolvimento da milícia na exploração imobiliária daquela região e em comunidades do entorno. 

Além disso, a construção do condomínio envolveu ao menos quatro empresas, segundo ação civil pública proposta pelo Ministério Público do Rio de Janeiro em 2018. 

A Olimpique Incorporações e Participações, a Pedreira Santo Amaro, a Gaúcha New Construtora e a Francisco Xavier Imóveis foram vinculadas ao empreendimento ilegal desde a origem do loteamento, em 2005.

De acordo com a investigação do Ministério Público, desde o início das obras a responsável é a Olimpique, que pertence à Pedreira Santo Amaro. 

Ambas chegaram a tentar o licenciamento do empreendimento, mas tiveram o pedido negado por desrespeito às legislações urbanísticas da área.

Ainda assim, o trabalho na região foi executado ao longo de 14 anos. 

A Gaúcha New e a Francisco Xavier foram as responsáveis pela comercialização das unidades, segundo a investigação. 

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.