Em bairro controlado por milícia, o mais vulnerável é o entrevistado

Repórter conta como foi cobrir o desabamento de dois prédios no Rio

Anna Virginia Balloussier
Rio de Janeiro

Saiba onde você está pisando. Uma dica que ganha mais de uma dimensão para o repórter que, como eu no domingo (14), acompanhou as operações de resgate em Muzema (zona oeste do Rio de Janeiro), onde dois prédios desabaram e fizeram ao menos 19 vítimas.

Tem a parte prática: quase uma semana após o temporal que encharcou a cidade, o estrago do aguaceiro continuava ali. Para literalmente enfiar o pé na lama, tive que comprar galochas numa loja de construção da vizinhança: R$ 29 por uma de número 43, quatro a mais do que o meu. A única na gôndola.

“Os bombeiros levaram tudo”, explicou o vendedor. Bota estofada com sacolas plásticas, para meu pé sambar menos nelas, e lá fui eu. Muzema Fashion Week.

Também é bom calcular bem os seus passos por outro motivo: por ali manda quem pode (milicianos), obedece quem tem juízo (moradores e comerciantes).

As marcas da milícia que controla a vizinhança estão por todos os cantos: nos boletos com “mensalidade” para condôminos de construções irregulares (como as que tombaram), nos serviços que deveriam estar a cargo do poder público, mas que na região são monetizados pelos milicianos.

E nos potenciais olheiros. A todo momento, o trabalho da imprensa é registrado por homens com celular. Alguns podem ser só curiosos? Podem. Mas moradores já deram a letra: ai de vizinhos que derem entrevistas citando milícia por aquelas bandas.

Grilagem de terra (a ocupação ilegal) e transações imobiliárias são uma das fontes de renda mais conhecidas desse tipo de poder paralelo. 

As placas de “vende-se” pululam nas fachadas. Como afirmou a advogada Maíra, que mora num edifício vizinho aos colapsados: “Quem tem um milhão não mora aqui, mora no Leblon”.

Autoridades têm dificuldade em investigar quem são os responsáveis pelas construções colapsadas. O zíper na boca daquela comunidade não deixa. Corria entre moradores, por exemplo, que uma mulher fora expulsa de Muzema após aparecer na Globo. “E se foi só expulsa tá no lucro”, me disse um rapaz que riu de mim quando perguntei seu nome. “Põe aí que eu sou o José Silva” (um nome popularíssimo no Brasil, quase o mesmo que dizer Zé Ninguém).

Para um jornalista, é sempre delicado se meter numa área onde impera uma lei marginal. Tim Lopes morto pelo tráfico em 2002, uma equipe de O Dia torturada por milicianos seis anos depois —traumas passados de uma geração a outra do jornalismo.

Mais vulnerável do que o entrevistador, contudo, é o entrevistado. Afinal, com tantos holofotes sobre a tragédia, é complicado ameaçar um jornalista (a não ser, claro, que ele zanze pela região afastado de colegas e câmeras).

Já a represália contra o morador pode chegar depois. “Se foi só expulsa tá no lucro” etc. Por isso é tão difícil achar que alguém tope falar e se identificar. Insistir nisso por vezes é irresponsável. Daí tanta “voz de pato” (recurso que distorce a voz) na TV e tanto depoimento anônimo na mídia escrita. Ass: José Silva.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.