Para Moro, Bolsonaro usar 'incidente' ao tratar de morte de músico é 'questão de terminologia'

Ministro da Justiça repetiu palavra usada pelo presidente e disse que fato é lamentável

Washington

O ministro da Justiça, Sergio Moro, disse nesta sexta-feira (12) que é "uma questão de terminologia" usar a palavra incidente para se referir ao assassinato do músico Evaldo Rosa dos Santos, morto depois que o carro onde estava com sua família foi metralhado por 80 tiros disparados por militares do Exército no Rio.

Em evento nos EUA, Moro repetiu a palavra usada pelo presidente Jair Bolsonaro para falar sobre a morte do músico e acrescentou que o acontecido foi lamentável.

"É uma questão de terminologia, um fato, um incidente, evidentemente lamentável. O que importa é que as instituições extraiam consequências, como o Exército vem fazendo", disse o ministro após reunião em Washington.

Questionado sobre ser adequado falar em incidente para se referir a uma ocorrência com 80 tiros, como fez Bolsonaro, Moro afirmou que não comentaria declarações do presidente e que era importante destacar as apurações que estão sendo feitas e que os responsáveis estão presos.

"Não comento declarações do presidente. Já me pronunciei sobre aquele fato. O que é importante ali é que o Exército está fazendo as apurações necessárias, inclusive os responsáveis estão presos".

Depois de seis dias de silêncio Bolsonaro disse nesta sexta, ao falar sobre o assassinato do músico, que o Exército "não matou ninguém" e classificou o episódio como um incidente.

"O Exército não matou ninguém, não, o Exército é do povo. A gente não pode acusar o povo de ser assassino não. Houve um incidente, houve uma morte, lamentamos a morte do cidadão trabalhador, honesto, está sendo apurada a responsabilidade", afirmou o presidente.

Ainda de acordo com o ministro da Justiça, as apurações iniciais estão sendo feitos pelos órgão de investigação militar, porque o fato envolveu militares. "Se eventualmente no futuro a Justiça decidir, e aí é decisão da Justiça não do governo, que a competência é da Justiça comum, não tem problema".

Moro viajou a Washington para um bate e volta nesta sexta e participou de uma reunião com a presença de ministros da Justiça de 36 países e tratou de parâmetros de prevenção e combate à lavagem de dinheiro e financiamento ao terrorismo.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.