Descrição de chapéu Entrevista da 2ª

Transformar os professores no problema da educação é errado, diz Fernando Holiday

Porta-voz do Escola sem Partido nos primórdios, vereador do MBL faz autocrítica sobre sua participação no projeto

Luciana Coelho Fábio Zanini
São Paulo

​Fernando Holiday diz que amadureceu. Notabilizado pelo Escola sem Partido, o vereador eleito aos 20 anos pelo Democratas, em 2016, acha que o projeto que ajudou a divulgar descarrilou.

Ele afirma ainda ser boa a ideia de pregar um cartaz em classe dizendo que o aluno pode discordar do professor. Mas ao defender a filmagem e a denúncia de docentes na sala de aula, o projeto atrapalha o exercício da profissão. 

Fernando de camisa azul em mesa preta
O vereador da cidade de São Paulo Fernando Holiday - Bruno Santos/Folhapress

Um dos coordenadores do Movimento Brasil Livre, hoje faz licenciatura em história na Universidade Mackenzie, passou a entender como o professor se sente e vê problema em poucos docentes. Quer lecionar, ser secretário da Educação, talvez ministro.

Negro e gay, Holiday defende as reivindicações originais dos movimentos identitários, mas critica sua condução. Também é crítico ao presidente Jair Bolsonaro, ao radicalismo na direita e a algumas atitudes passadas.

Em entrevista à Folha na Câmara Municipal de São Paulo, afirma que, na escala de 0 a 10 da direita, se vê no 6,5, e diz admirar, à esquerda, o ex-presidente tucano Fernando Henrique Cardoso e o americano Bill Clinton.

O sr. sempre quis dar aula? Sempre admirei a profissão de professor. Queria participar da formação de jovens no ensino médio, no pré-vestibular. Esse desejo me fez desistir do direito e ir para a licenciatura. Inclusive penso em me especializar em pedagogia. Pensando em no futuro ser secretário de Educação ou mesmo ministro.

Sua imagem foi marcada pelo Escola sem Partido. Como avalia o projeto? Ficou estigmatizado como um projeto que vê o professor como inimigo. Quem o defende acaba associado a pessoas que querem censurar o professor. Muito disso se deve à comunicação equivocada pela direita.

Uma parte da direita realmente deu início à perseguição. A principal diferença no projeto está entre quem vê a maioria dos professores como doutrinadores e quem vê uma minoria como doutrinadores. A maior parte dos professores dá sua aula sem colocar sua opinião. Vi isso na minha vida escolar. Essa parte que enxerga a maioria dos professores como doutrinadores vê como problema grave, a ponto de querer o direito de filmar as aulas. É um grande equívoco.

O sr. percebeu isso na licenciatura? Exato. Quando comecei, alguns alunos vieram perguntar o que eu queria com o Escola sem Partido. Se sentiam acuados. Expliquei o sentido original, de um cartaz em sala para que alunos e as famílias tivessem consciência de seus direitos. Ficaram espantados. Isso fez eu me reposicionar, não quanto ao projeto, mas na forma de defendê-lo.

Quem é essa direita que vê a maioria como doutrinadora? O maior exemplo é a deputada Bia Kicis [PSL-DF]. Vi o próprio Miguel Nagib [idealizador do Escola sem Partido] dizendo que a maioria dos professores faz isso. E essa direita ligada ao bolsonarismo.

O sr. teve atitudes controversas, como a visita a escolas e artigos duros contra opositores. Faz autocrítica? A forma como eu defendia o projeto estava absolutamente errada, que é transformar o professor em um dos maiores problemas da nossa educação. A ideia era proteger o aluno prejudicado nas notas, exposto por causa de sua religião ou posicionamento político. 

Teve uma experiência pessoal? Um professor no sexto ano, de história, era comunista e ateu militante. Ele se incomodava em ter alunos que acreditavam em alguma coisa. Eu era um deles. Acabei virando ateu militante. Fiquei cinco anos rompido com qualquer religiosidade. Se soubesse que podia ter defendido minha religião em sala, talvez o relacionamento familiar de muitos não tivesse sido prejudicado. 

Por que a blitz nas escolas? Tinha recebido reclamações e a minha dúvida era se isso era comum. Fui a algumas escolas ver se os diretores tinham recebido reclamação. Em nenhum momento pretendi verificar avaliações ou aulas, que foi a versão que chegou do sindicato.

Faria de novo? Teria sido transparente, ligado antes. O projeto que está na Câmara prevê filmar professores. Como o MBL votaria? Não me arrisco. Eu defenderia que apresentassem uma emenda supressiva às partes novas. 

E sem mudanças? Recomendaria que votassem contra.

Suas posições ressoam no MBL? Na base do movimento há divisão. Muitos dizem que a filmagem seria uma forma de se proteger. Eu discordo.

Como vê o ensino domiciliar? Pode ser uma alternativa para famílias de alta renda, que teriam condições de garantir a educação para seus filhos em casa. Mas, a princípio, acho que a ida da criança à escola nos primeiros anos é essencial para a sua formação. 

E educação sexual? Deve estar no currículo do ensino médio, talvez nos anos finais do ciclo fundamental. Mas dentro do conteúdo de biologia.

Não é tarde? Acho que o ideal seria a partir dos 14 anos. Antes, por mais que o Brasil tenha histórico de prostituição infantil em algumas regiões, são casos específicos. Colocar num currículo nacional pode ter o efeito contrário. Em regiões onde isso é um problema, deve ser trabalhado de acordo com o contexto social.

Como vê o feminismo? Ele surge com a pauta virtuosa de trazer direitos às mulheres, mas é tomado pela esquerda de forma a transformar a mulher em vítima da sociedade. 

É a favor da igualdade de gênero? Depende. Por mais que a mulher deva ter direitos garantidos, há particularidades. 

Por exemplo? A gravidez. Muitas engravidam, têm de se dedicar ao trabalho de casa, e não se dedicam tanto ao trabalho. Isso impacta o salário. Tentar forçar essa igualdade pelo Estado cria distorções. Estudos do [economista americano] Thomas Sowell mostram que com mulheres que não engravidam, têm a mesma idade que determinado homem, o mesmo cargo, não se vê essa disparidade. O mercado conduz à igualdade sem interferência do Estado.

Por que um país com tantos problemas na educação deve priorizar o Escola sem Partido? Existem muitos problemas à frente. Mas o Escola sem Partido traz uma discussão importante, da participação da família. Quando propomos o cartaz, é um chamamento à família. Isso popularizou a discussão da participação da família na escola.

Qual deve ser a prioridade do Ministério da Educação? Garantir a infraestrutura para que os professores consigam trabalhar, garantir a formação continuada dos professores. E melhores condições salariais.

O MBL está querendo se distanciar do governo Bolsonaro? Esse distanciamento sempre esteve claro. Em 2016, quando ele fez o seu voto no impeachment homenageando o [coronel torturador] Brilhante Ustra, fomos dos maiores críticos. Acabamos apoiando no final do primeiro turno porque sempre consideramos o PT um risco maior.

Quais as relações do MBL com o governo? O Kim [Kataguiri], nosso deputado, tem relacionamento próximo com o [ministro da Economia] Paulo Guedes e o [da Justiça, Sergio] Moro. Estamos fazendo uma defesa grande da reforma da Previdência. Mas todo o resto tem pouca ou quase nenhuma interlocução.

E as prioridades? Trabalhar pela reforma da Previdência. Mas temos um plano maior, de formar uma militância mais consciente. A gente tem feito congressos para tentar deixar claro que não somos um movimento que vai servir de base pura e simples do Bolsonaro, temos nossas próprias ideias. 

E sua prioridade na Câmara? Aprovar projetos que desburocratizem e desonerem o cidadão. Um exemplo é um que acaba com o monopólio estatal na poda de árvores.

No campo da direita, o sr. se enxerga como? Conservador-liberal, alguém dentro do conservadorismo com vieses liberais. Por exemplo, sou contra a descriminalização do aborto e a favor do casamento entre pessoas do mesmo sexo. 

Sendo 10 o radical e 0, o centro, está onde? No 7. Não, 6,5. 

O sr. personifica algumas minorias. A direita não está se afastando demais delas? Tem algo a modular? Sim, sobretudo com os gays. Com os negros nem tanto, pois nunca teve movimento muito claro identitário negro no Brasil, onde o negro que forma 51% da população se vê mais como pobre. Para os gays a questão é forte, tanto que tem o vale.

Que vale? Quando você é homossexual, a gente brinca que está dentro de um vale de arco-íris, e quando vai para a direita conservadora, é expulso.

O sr. se sente discriminado na comunidade gay? Sim, acho que mais pela forma como nós [direita] falamos. O discurso da direita sempre foi que o movimento LGBT nasceu com uma causa justa, mas, em dado momento, transformou os religiosos em inimigos. O movimento LGBT tem errado na forma de debater. Em contrapartida, a direita erra na forma de combater esses ideais. 

Qual o aceno possível? Falar mais, mostrar que não somos inimigos dos homossexuais, só temos uma visão diferente de como alcançar a igualdade.

Teve constrangimento na faculdade?  Não, só curiosidade, gente que discorda, mas quer entender o que o MBL pensa. Sintoma de que não estamos propagando nossas ideias de forma clara. Precisamos melhorar a comunicação.

E o sr. sente falta de trabalhar com isso.  O cargo público acaba tolhendo. Sinto falta da rua, de conversar com pessoas que não sejam políticos.

Fernando Holiday, 22

Fernando da Silva Bispo nasceu em família evangélica na Brasilândia e cresceu em Carapicuíba, São Paulo. Ganhou atenção em 2015 como coordenador do Movimento Brasil Livre (MBL) nos protestos contra Dilma Rousseff, e em 2016 tornou-se o mais jovem vereador eleito em São Paulo. Tentou o direito, trocou pela licenciatura em história e diz que quer ser professor.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.