Cidade de São Paulo tem 1ª alta de mortes no trânsito em 3 anos

Prefeitura pede cautela e diz que cidade teve 'febre' de mortes no segundo semestre de 2018

São Paulo

​​O número de mortes no trânsito na cidade de São Paulo em 2018 voltou a subir depois de três anos de queda, segundo dados da CET (Companhia de Engenharia de Tráfego). A situação deixa a gestão Bruno Covas (PSDB) longe da meta para redução deste tipo de mortalidade, que é de 6 mortes a cada 100 mil habitantes. O índice atual é de 6,95.

No ano passado, a cidade registrou 849 mortes, contra 797 em 2017, uma alta de 6,5%. A prefeitura fala em "febre" de mortes no segundo semestre de 2018 e diz que ainda há tempo para atingir a meta até o fim desta gestão, em 2020.

Local do acidente em que um motociclista morreu, após conversão proibida feita por um caminhão, em maio de 2018, na avenida Aricanduva, zona leste
Local do acidente em que um motociclista morreu, após conversão proibida feita por um caminhão, em maio de 2018, na avenida Aricanduva, zona leste - Rivaldo Gomes/Folhapress

Pela primeira vez desde 1979, os motociclistas passaram a ser as vítimas mais frequentes do trânsito paulistano, ocupando a posição que antes era dos pedestres. 

Em 2018, foram 366 mortes de motociclistas, contra 311 em 2017. Uma dessas vítimas é o policial militar Juarez Santiago, 49, que teve a moto atingida por um carro enquanto ia ao trabalho na manhã de um domingo em dezembro passado.

"Ele era o nosso orgulho, o único da família que conseguiu fazer faculdade", conta Eduardo, irmão de Juarez.

O policial planejava se aposentar em abril de 2019, comprar um terreno em sua cidade natal em Pernambuco, e construir uma academia.

A prefeitura identificou também o aumento de 28 para 50 mortes de motociclistas que trabalhavam como motofretistas. A gestão teme que aplicativos de entrega possam estar influenciando esse índice.

As mortes entre pedestres também aumentaram, saindo de 331 em 2017 para 349 em 2018. Já entre os ciclistas, houve redução nas mortes. Em 2017, eram 37 e em 2018, ficaram em 19.

A divulgação dos dados acontece quando Covas tenta implantar plano de segurança viária para a cidade que prevê a criação de áreas de bairro com velocidades mais baixas e alteração no desenho de ruas, priorizando a segurança.

Outra novidade é que pela primeira vez a prefeitura, em parceria com a Iniciativa Bloomberg para Segurança Global no Trânsito, cruzou dados sobre acidentes de trânsito da CET com os da secretaria de Saúde. 

A análise permitiu perceber que 4 em cada 10 vítimas do trânsito morreram a 2 km de casa. Segundo a prefeitura, o dado alerta para a necessidade de políticas de segurança dentro dos bairros. Outra constatação é de que as vítimas de acidentes de motos ficam em média dois dias internados na rede municipal de saúde, ao custou médio R$ 4.347. 

Já em relação às marginais, se somadas, esse é o segundo ano com o aumento de acidentes fatais, desde que a gestão João Doria (PSDB) decidiu aumentar novamente o limite de velocidades das pistas, em janeiro de 2017.

Isoladamente, a marginal Tietê conseguiu reduzir suas mortes, de 20 para 14, em um ano. Após novas restrições a motos na via, o número já é inferior aos 15 registrados em 2016, quando a velocidade na via era mais baixa. 

Já a marginal Pinheiros aumentou de 14 para 22 o número de mortes, fazendo com que ela voltasse a ser a via mais fatal da cidade.

A prefeitura afirma que seis dessas mortes são de motociclistas que trafegavam nas pistas expressas. Visando minimizar esses acidentes, Covas proibiu o acesso de motos à pista expressa da marginal Pinheiros, no sentido Castello Branco. Uma obra deverá ser feita para que o mesmo ocorra no sentido contrário.

A administração municipal sustenta que o aumento das velocidades nas vias não influenciou o aumento de mortes.

Governantes não focam em segurança, aponta especialista

Durante anos, os órgãos de controle e fiscalização do trânsito em São Paulo deram prioridade exagerada ao fluxo de veículos nas vias, em vez de mirar a segurança. 

Essa é a conclusão do engenheiro e especialista em segurança viária Horácio Figueira, que analisou o horário em que aconteceram as mortes no trânsito na cidade de São Paulo em 2017. Os dados foram comparados com o padrão de circulação de pessoas na capital paulista.

A partir dessas informações, pôde-se ver que o risco relativo de mortes entre as 3h e 4h da madrugada chega a ser 47 vezes maior do que o para quem trafega entre as 18h e as 19h. Para Figueira, é contraditório que o horário de maior risco seja justamente quando há menor fiscalização e presença da CET e de policiais dedicados ao trânsito.

"O foco da CET está no que a mídia e a sociedade cobram, ou seja, a fluidez dos carros", argumenta Figueira.

A prefeitura discorda da avaliação do especialista e afirma que seus últimos programas têm significado uma mudança no perfil da CET e da gestão do trânsito na cidade, focando cada vez mais em segurança.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.