Descrição de chapéu Rio de Janeiro

Disque-Denúncia não lista miliciano amigo de Queiroz

Foragido, ex-capitão Adriano da Nóbrega não tem busca promovida por programa

Rio de Janeiro

Nesta quarta-feira (1º), o governador do Rio de Janeiro Wilson Witzel (PSC) publicou em suas redes sociais uma imagem de Wellington da Silva Braga, o Ecko, acusado de comandar uma milícia que atua na zona oeste e que criou franquias em outras áreas do estado. Junto a ela, era oferecida uma recompensa de R$ 10 mil por informações sobre seu paradeiro.

"Um dos bandidos mais procurados do RJ, o miliciano Ecko está na mira da Justiça! Ele é mais um que não ficará impune. O governo Witzel e a @PCERJ [Polícia Civil] não darão trégua a nenhum miliciano!", escreveu o governador sobre o foragido há um ano.

Foragido há mais de três meses, outro miliciano não conta com a mesma divulgação. O ex-capitão Adriano da Nóbrega, acusado de comandar a quadrilha que atua em Rio das Pedras e na Muzema onde dois prédios desabaram matando 24 pessoas, não faz parte do programa "Procurados" do Disque-Denúncia e não há recompensa oferecida por informações sobre o seu paradeiro.

Outro dado pode prejudicar sua detenção. O nome do ex-capitão está escrito de forma errada no Banco Nacional de Mandados de Prisão: Adriano Magalhães da Nbrega, sem o "o". O mesmo erro ocorre com o nome do pai do acusado. Também não consta o CPF do ex-PM.

A grafia incorreta dificulta que um policial que não conheça o acusado faça sua prisão numa ocorrência comum, como um acidente de carro. O banco nacional é um dos principais meios de consulta de foragidos no país.

O ex-capitão está foragido desde a deflagração da operação Os Intocáveis, em janeiro, que focou na atuação da milícia de Rio das Pedras e Muzema. Chamado de "Patrãozão", ele também é suspeito de atuar no Escritório do Crime formado por assassinos profissionais de ligação com o assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL) e do motorista Anderson Gomes.

Adriano é amigo do policial militar reformado Fabrício Queiroz, ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ). O ex-capitão foragido foi homenageado pelo filho de Jair Bolsonaro na Alerj (Assembleia Legislativa) e tinha a mulher e a mãe nomeadas no gabinete de Flávio, indicadas por Queiroz.
 

O ex-PM também foi defendido pelo próprio presidente Jair Bolsonaro em discurso na Câmara há 14 anos, quando foi condenado pelo homicídio de um flanelinha que acusara policiais por extorsão. Ele acabou absolvido em novo julgamento dois anos depois.

Antes de se tornar foragido, Adriano foi expulso da PM em 2014 por atuar na segurança do bicheiro, José Luiz de Barros Lopes, o "Zé Personal". 

O coordenador do Disque-Denúncia, Zeca Borges, afirmou que a inclusão do nome de qualquer foragido no programa depende de solicitação das autoridades, como Polícia Civil e Ministério Público.

"O Adriano tem o perfil de estar no programa. Mas dependendo do estágio da investigação, há casos em que as autoridades preferem não incluir. Em alguns casos específicos, pode prejudicar as investigações", disse Borges.

Há 23 anos o Disque-Denúncia divulga fotos de chefes do tráfico, milicianos, sequestradores e assaltantes oferecendo recompensas. Seus cartazes eletrônicos são divulgados à exaustão em telejornais e programas policiais.

A recompensa mais comum é de R$ 1.000. Atualmente, três são alvos das maiores recompensas, R$ 30 mil: Luciano Martiniano da Silva, o Pezão do Alemão, Fernando de Freitas, o Fernandinho Guarabu, e Leandro Botelho, o Scooby-Doo dos Macacos.

Os valores, segundo Borges, são definidos em conjunto com a Secretaria de Segurança e dependem da disponibilidade de patrocinadores.

O Ministério Público do Rio de Janeiro disse, em nota, que enviou à Superintendência da Polícia Federal a inclusão de Adriano e outros seis foragidos à época "no sistema de procurados e impedidos da PF".

"No ofício, o Gaeco/MPRJ [Grupo de Atuação Especial no Combate ao Crime Organizado] solicita também a difusão para o sistema de procurados da Interpol. Além disso, houve ampla divulgação na mídia de que o capitão Adriano está foragido. A Polícia Civil e todos os órgãos públicos, portanto, estão cientes do fato", disse o MP-RJ em nota.

A Polícia Civil não se pronunciou até a publicação desta reportagem. O Tribunal de Justiça informou que "um erro de grafia deste tipo não ocasiona prejuízo, pois o mandado contém a qualificação do acusado".
A defesa de Queiroz já afirmou que "repudia veementemente qualquer tentativa de vincular seu nome a milícia". Disse que ambos se conheceram quando trabalharam no 18° Batalhão da Polícia Militar.

Segundo o advogado Paulo Klein, que defende Queiroz, o PM aposentado solicitou a nomeação da mulher e da mãe do colega para o gabinete de Flávio Bolsonaro porque a família passava por dificuldades financeiras. Para a defesa, Nóbrega estava "injustamente preso" em razão do processo em que fora condenado e depois absolvido por homicídio. 

Flávio Bolsonaro afirmou em ocasiões anteriores que sempre defendeu instituições policiais e seus integrantes ao longo de seus mandatos, motivo pelo qual homenageou membros dessas corporações.

"Foi assim com o então Tenente Adriano, que na ocasião específica sofria uma injustiça, reconhecida com sua absolvição na esfera judicial. Ocorreu há mais de uma década, sendo impossível fazer previsões sobre acusações recentemente reveladas. Aqueles que cometem erros devem responder por seus atos. Flávio Bolsonaro é contra qualquer poder paralelo que se proponha a substituir o Estado e subjugar os cidadãos", diz a nota do senador.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.