Descrição de chapéu Governo Bolsonaro

Folha não tem que contratar 'qualquer uma', diz Bolsonaro a repórter do jornal

Um dia após onda de protestos, presidente critica jornalista ao ser indagado sobre verba para educação

Marina Dias
Dallas

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta quinta-feira (16) que esta Folha não tem que contratar "qualquer uma" para trabalhar no jornal. A declaração foi dada nos Estados Unidos, quando a signatária deste texto o questionou sobre o bloqueio de recursos no orçamento da educação.

Segundo o presidente, a jornalista tinha que entrar de novo "numa faculdade que presta e fazer bom jornalismo". Bolsonaro disse ainda que esta Folha não pode contratar "qualquer uma para ser jornalista, ficar semeando a discórdia e perguntando besteira e publicando coisas nojentas por aí".​

O presidente dizia que nenhuma das universidades brasileiras estava na lista das 250 melhores instituições de ensino do mundo e a Folha perguntou se cortar dinheiro do setor resolveria esse problema.

Enquanto respondia a pergunta, o presidente foi orientado pelo secretário de comunicação da Presidência da República, Fabio Wajngarten, a usar a palavra "contingenciamento" e não "corte" —expressão que o próprio Bolsonaro já havia utilizado em outros momentos durante a mesma entrevista.

"Presidente, o senhor falou que não tem nenhuma universidade brasileira entre as 250 melhores do mundo. É cortando verba da educação que alguma universidade brasileira vai chegar...", perguntou a repórter.

Antes de encerrar a pergunta, Bolsonaro começou a responder: "O corte de verbas, você tem que entender, não é maldade de ninguém. Não tem dinheiro. Então [Wajngarten diz para o presidente falar 'contingenciamento'] o contingenciamento, que é a palavra certa, foi um pequeno percentual nas despesas discricionárias".

A repórter argumentou que contingenciamento significava corte, já que é o bloqueio de recursos para a área.

Neste momento, Bolsonaro afirmou que havia um especialista em orçamento ali —e apontou para um homem que estava filmando o presidente com o celular atrás dos jornalistas. Ele disse que contingenciamento era "a suspensão do gasto durante o período".

Bolsonaro, então, perguntou se a jornalista era da Folha e, diante da confirmação, atacou a repórter.

"Aprendeu a Folha de S.Paulo? Primeiro, você, da Folha de S.Paulo, tem que entrar de novo numa faculdade que presta e fazer um bom jornalismo. É isso que a Folha tem que fazer e não contratar qualquer uma ou qualquer um para ser jornalista, para ficar semeando a discórdia e perguntando besteira por aí e publicando coisas nojentas. É isso que vocês da Folha têm que fazer", disse o presidente.

Outra jornalista tentou fazer mais uma pergunta mas Bolsonaro insistiu com a Folha: "Quer debater o Orçamento comigo?

"Não, eu não quero debater, eu quero saber que área o sr. está priorizando, por que o corte é na educação?", respondeu a repórter.

Jair Bolsonaro cumprimenta brasileiros residentes em Dallas e conversa com a imprensa - Marcos Corrêa/PR

"Todas as áreas são essenciais. Ciência e Tecnologia é tão importante quanto educação, temos que investir em conhecimento, se não, quando acabar nossa commodities, vamos viver do quê? Não somos herbívoros", disse o presidente.

Em seguida, outra jornalista perguntou se o presidente estava “tranquilo em relação ao que foi revelado ontem sobre o Flávio Bolsonaro?”. Bolsonaro disse que sim e que, em 2015, o Ministério Público “fez a mesma coisa e mandou arquivar o processo”. E encerrou a coletiva. Pouco depois, divulgou o vídeo da altercação em suas redes sociais.

A Abraji (Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo) criticou a fala do presidente, dizendo que ele expôs a repórter a ofensas e ameaças de militantes virtuais.

"Ao estimular um ambiente de confronto e intimidação contra jornalistas e veículos de mídia, Bolsonaro se afasta do compromisso democrático que assumiu ao tomar posse, e fica mais próximo dos governantes autoritários, de diversos matizes ideológicos, que buscam demonizar a imprensa por ver nela um obstáculo a seus projetos de poder", afirma a organização em nota.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.