Inteligência alertou sobre risco de violência nos presídios do AM quatro dias antes

Governo estadual sabia, portanto, da chance de ocorrer um massacre em suas unidades prisionais

Fabiano Maisonnave
Manaus

Um relatório datado quatro dias antes do início da onda de violência que deixou 55 mortos em presídios do Amazonas alertou o governo estadual para o risco iminente de mortes no sistema penitenciário.

Finalizado no último dia 22, o documento, produzido pelo Departamento de Inteligência Penitenciária (Dipen) e revelado pelo jornal A Crítica, afirma que “um evento de grande vulto estaria marcado para os próximos dias nas unidades prisionais da capital”.

Quatro dias mais tarde, no domingo (26), 15 presos foram assassinados no Compaj (Complexo Penitenciário Anísio Jobim), parte deles durante o horário de visitas. Outros 40 foram assassinados no dia seguinte no mesmo local e em outras unidades prisionais, por meio de asfixia e armas brancas improvisadas.

Em entrevista coletiva nesta quarta-feira (29), o secretário de Administração Penitenciária do Amazonas (Seap), o tenente-coronel da PM Marcus Vinícius Almeida, negou que tenha havido negligência. 

“Foi aventada a possibilidade de essas mortes continuarem por asfixia [na segunda-feira à tarde]. Imediatamente, o estado se deslocou para as unidades prisionais (…) e descartou um processo que seria de madrugada”, disse. 

“O estado anteviu a situação”, assegurou. “A questão iria começar na segunda para terça-feira. Na segunda-feira à tarde, nós desencadeamos a operação e salvamos 225 vidas.”

O relatório atribui a tensão nos presídios a um racha na facção criminosa FDN (Família do Norte), processo desencadeado em 2017 que estaria criando uma nova facção no estado, FDN Pura ou Potência Máxima.

De acordo com o Dipen, havia de 15 a 20 internos marcados para morrer. O epicentro seria no Centro de Detenção Provisório Masculino 1 (CDPM 1), mas “não se descarta que ações simultâneas possam ocorrer nas demais unidades”.

“É importante destacar que acontecimentos como estes são de difícil controle por parte do Estado, pois a motivação única é a eliminação de rivais”, conclui. 

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.