Locais de atos pela educação já abrigaram protestos da direita e da esquerda

Ao menos 15 das 26 capitais do país confirmaram atos nesta quinta (30)

Porto Alegre , Rio de Janeiro e Salvador

Embora em São Paulo e em Curitiba o Masp (Museu de Arte de São Paulo) e a praça Santos Andrade, respectivamente, sejam o palco predileto dos protestos de domingo e desta quinta (30) organizados tanto pela esquerda quanto pela direita, em outras capitais os locais escolhidos indicam o sinal ideológico da manifestação.

Em Porto Alegre, o ato desta quinta ocorre na Esquina Democrática. É um lugar tradicional de atos políticos de Porto Alegre, lembrada especialmente pelos protestos contra a ditadura militar.

Ali, porém, ocorriam também protestos nas décadas anteriores. Em 1954, quando o ex-presidente Getúlio Vargas se suicidou, uma multidão tomou o espaço. O cruzamento da Rua dos Andradas e Avenida Borges de Medeiros é tombado pela prefeitura desde 1997, por sua importância histórica. 

Já o ato de domingo, e desde os protestos contra a ex-presidente Dilma Rousseff (PT), são realizados no Parcão, o Parque Moinhos de Vento. A região é de moradores de classe alta, com clubes sociais de elite e hotéis de alto padrão. 

No período do impeachment, os protestos da esquerda ocorriam especialmente na Redenção, o Parque Farroupilha, entre o Bom Fim e a Cidade Baixa, bairros que concentram estudantes universitários e ligados ao campo progressista. Os protestos da direita passaram a ocupar o Parcão, frequentado especialmente pelos moradores de bairros próximos.

No Rio, a Igreja da Candelária é tradicionalmente um ponto de encontro de manifestantes, grevistas e militantes mais à esquerda. Foi palco, por exemplo, das Diretas Já em 1984 e de um grande comício de Lula em 1989. 

Por sua localização, tamanho e importância histórica, também abriga missas e atos religiosos de vítimas da violência. É o que acontece todo ano para relembrar o episódio conhecido como Chacina da Candelária, que deixou oito moradores de rua mortos em 1993.

No domingo, o ato em apoio ao presidente ocorreu na orla de Copacabana. O ponto é tradicionalmente ligado a movimentos à direita. Também foi palco das manifestações pelo impeachment de Dilma Rousseff em dezembro de 2015, às quais Bolsonaro compareceu ainda como deputado federal.

Em Salvador, as manifestações ligadas à esquerda tradicionalmente acontecem no trecho entre o Campo Grande e a Praça Castro Alves. É uma região bem central, movimentada e com muito comércio popular. 

Já o atos mais identificados com agendas da direita, como o de domingo, acontecem sempre na região do Farol da Barra, de classe média e mais turístico, onde a classe média costuma frequentar.

A rua Aurora, no Recife, é próxima a um complexo de quatro escolas públicas, e concentra protestos da esquerda, com a presença de muitos estudantes. Já o ato de domingo ocorreu na avenida Boa Viagem, que tem o metro quadrado mais caro do Recife.

Na capital mineira, a praça Afonso Arinos, próximo ao campus de direito da UFMG, é ponto tradicional de protestos da esquerda. No domingo, a Praça da Liberdade é usada como ponto dos protestos de direita desde os primeiros atos contra Dilma, em 2015. 

Em Fortaleza, a praça onde se concentram alinhados à esquerda para atos fica próxima à Reitoria da UFC, com grande concentração da comunidade acadêmica. Os atos da direita geralmente ocorrem nas áreas de classe média alta da cidade, como o bairro Aldeota.

Em São Paulo, além do Masp, agendas alinhadas à esquerda escolhem também como local de protestos o Largo da Batata, em Pinheiros.

Exceção de outras capitais, em Curitiba, a Praça Santos Andrade fica em frente ao prédio histórico da UFPR (Universidade Federal do Paraná), e acaba por reunir protestos dos diferentes espectros políticos.

Em Belém, o ato desta quinta será a Praça da República, no centro. Os atos pró-governo Bolsonaro, em geral, também ocorrem na praça, mas terminam na Doca de Souza Franco, local próximo a bairros de maior poder aquisitivo. 

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.