Mulher suspeita de jogar filha da janela era vista com orgulho pela família

Segundo vizinha, estudante de 29 anos, que teve prisão decretada, é boa mãe, mas vinha tendo surtos

Thaiza Pauluze Alfredo Henrique
São Paulo

De infância simples no extremo zona sul da capital paulista, filha de jardineiro e esteticista, Fernanda Fernandes, 29, sempre chamou atenção pela inteligência.

Cursa geografia na concorrida Universidade de São Paulo, onde foi integrante do Núcleo de Direito à Cidade. Também estagiou na Secretaria do Meio Ambiente do Estado e assumiu uma monitoria no Parque de Ciências e Tecnologia da USP. 

Sua trajetória não daria pistas da tragédia que protagonizou na madrugada desta sexta (24). Fernanda é suspeita de ter atirado a filha de três anos do apartamento onde viviam, no 5º andar de um edifício na avenida Corifeu de Azevedo Marques (zona oeste). Ela também se jogou, depois de negociações frustradas com os bombeiros e de ter ateado fogo à cortina do apartamento.

Fernanda Fernandes, sentada à janela de apartamento na zona oeste de SP após atirar a filha
Fernanda Fernandes, sentada à janela de apartamento na zona oeste de SP após atirar a filha - Reprodução/RecordTV

A menina caiu sobre um carro e teve apenas escoriações leves. A mãe, que teve a prisão decretada em flagrante, está internada em estado grave no Hospital das Clínicas.

Recentemente, Fernanda se equilibrava entre os estudos e a filha, após vários anos de relacionamento com seu único namorado, o professor e músico Evandro Barbosa.

O casal morava num sobrado construído sobre a casa da mãe de Fernandinha, como é conhecida. Eles se davam bem e se mostravam apegados à menina, conta a vizinha de frente, amiga da família há 30 anos, Zina Dantas, 57. 

Em 12 de fevereiro deste ano, no entanto, Fernanda registrou um boletim de ocorrência de violência doméstica e ameaça contra Evandro. 

Segundo o documento policial, ela afirma que o professor não aceitava o fim da relação, ocorrido em novembro de 2018. 

“Declara [Fernanda] que o autor [seu ex-companheiro] é violento e que diante da situação está se sentindo muito intimidada”, diz trecho do relato feito à polícia então.

O professor James Maier, 34, amigo de Evandro, rebate o histórico de agressão. Ele diz que a estudante tinha surtos paranoicos e achava que estava sendo perseguida. 

Há três meses, Fernanda foi ​​​morar na zona oeste da cidade, a poucos quilômetros da universidade. 

Cerca de um mês atrás, ela teve o que foi descrito como um surto numa visita à casa da mãe. Às 7h, balançava a filha no colo na varanda do sobrado e gritava “Jesus!” e frases desconexas.

Zina viu a mulher, alterada e vermelha, não atender aos pedidos da família para largar a criança. 

Segundo a vizinha, depois desse episódio, além do tratamento psicológico que já fazia, Fernanda ficou internada por alguns dias.

Na quarta-feira (22), esteve de novo no bairro. Vestia um blusão do avesso e andava de um lado para o outro sem parar. Perguntou para a vizinha, que é educadora, o que fazer com a filha, que não estaria se adaptando à nova escolinha. 

“Como ela teve coragem de jogar a menina e se jogar?”, se pergunta Zina, ainda em choque com a notícia.

“Ela é uma ótima mãe. Isso foi problema de cabeça. Ninguém podia imaginar”, diz a educadora sobre Fernanda, que foi indiciada por incêndio e homicídio tentado —o delegado responsável considerou que o crime só não foi consumado por vontades alheias à da autora; no caso, a coincidente passagem do carro, que amorteceu a queda.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.