Prefeitura de SP atrasa operação de acolhimento de sem-teto em dias frios

Clima na capital deve esfriar nos próximos dias com temperatura de 10ºC durante o fim de semana

Mariana Zylberkan
São Paulo

A um mês do início do inverno, a Prefeitura de São Paulo ainda não publicou decreto que formaliza a intensificação de ações de acolhimento para moradores de rua na capital durante dias frios, quando há previsão de temperaturas abaixo de 13ºC. 

No ano passado, o decreto da operação Baixas Temperaturas, criada em 2015, foi publicado no Diário Oficial no dia 17 de maio. Neste ano, portanto, o início do período de contingência está atrasado, e não há previsão de quando o plano terá início. 

Nesta terça-feira (21), foi registrada a madrugada mais fria do ano na capital, segundo o Inmet (Instituto Nacional de Meteorologia), com mínima de 15ºC. 

A tendência é de mais frio nos próximos dias. A mínima prevista para o fim de semana será de 10ºC, devido à chegada de uma frente fria na próxima quinta-feira (23), de acordo com o Inmet. 

Procurada, a gestão do prefeito Bruno Covas (PSDB) não explicou o motivo do atraso e nem confirmou quando o decreto será publicado. 

Em nota, afirmou que durante a época de baixas temperaturas, as equipes de abordagem são orientadas a redobrar a atenção para atender as pessoas em situação de rua e ofertar acolhimento. 

​No ano passado, dois moradores de rua foram encontrados mortos em 22 de maio, quando foi registrado frio de 9,3ºC, a menor para um mês de maio desde 2007 na capital.

O corpo de Marciano da Silva Correia, 34 anos, foi encontrado sob a marquise de uma loja na avenida do Rio Pequeno, na zona oeste. A outra vítima foi encontrada sem vida na calçada da rua General Jardim, na região central.

A operação Baixas Temperaturas tem início todos os anos em São Paulo durante os primeiros dias de frio intenso, o que ocorre a partir da segunda quinzena de maio, e se estende até o fim de setembro.

Executado e planejado de forma intersecretarial, o plano é deflagrado quando há previsão de frio abaixo de 13ºC. Diante de temperaturas menores de 10ºC, a cidade entra em estado de alerta, segundo o plano. 

Nessas ocasiões, para intensificar as ações de acolhimento, são disponibilizadas vagas emergenciais em abrigos, aumentam as equipes de abordagem aos moradores de rua e é instituído esquema especial de atendimento do Samu para socorrer possíveis vítimas de hipotermia, ou danos provocados pelas baixas temperaturas. 

Toda essa engrenagem, porém, só é deflagrada a partir da publicação do decreto assinado pelo prefeito em Diário Oficial, o que ainda não ocorreu. 

Durante todo o mês de maio do ano passado, 22,5 mil pessoas nas ruas foram abordadas no âmbito da operação Baixas Temperaturas, sendo que cerca de 15 mil aceitaram acolhimento em abrigos. 

Em 2018, entre maio e setembro, foi registrada média de ocupação de 89,1% das 17,4 mil vagas ofertadas em abrigos.  

Doações

Nesta segunda-feira (20), o governo do estado de São Paulo deu início à campanha do agasalho, que estimula a doação de roupas usadas em pontos específicos de coletas. 

Instituições privadas, como o Exército da Salvação e a Cruz Vermelha, também deram início a campanhas para arrecadar vestimentas. 

Onde doar

Campanha do Agasalho 
Aceita doações de peças de roupas e cobertores em bom estado
Pontos de coleta no site.

Aquece SP (Cruz Vermelha)
Aceita de doações de agasalhos e cobertores em bom estado 
Pontos de coleta no site

Exército da Salvação
Aceita doações de roupas, brinquedos, calçados e outros pequenos objetos
Pontos de coleta no site

Anjos da Noite
Aceita doações de roupas de qualquer tamanho, cobertores, alimentos não-perecíveis, itens de higiene e produtos de limpeza
Aos sábados das 10h às 20h
Rua José Teixeira da Silva, 15, Parque das Paineiras  

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.