Professor do Rio promove cursos de psicologia preta pelo país

Vertente estuda a subjetividade das pessoas negras, aponta efeitos da colonização e resgata valores africanos

Géssica Brandino
São Paulo

Marcus Moreno, 48, enfrenta cotidianamente a experiência de ser o único negro nos espaços que frequenta. Há cinco anos, para romper a solidão, o engenheiro de produção e morador de Ipanema, bairro nobre do Rio de Janeiro, passou a frequentar eventos do movimento negro e acompanhar intelectuais negros nas redes sociais. Foi assim que se deparou com uma publicação sobre a chamada psicologia preta escrita por Lucas Veiga, 29.

Há um ano, o mestre em psicologia pela UFF (Universidade Federal Fluminense) passou a promover cursos pelo país para ensinar os conceitos da “black psychology”, vertente voltada ao atendimento da subjetividade negra que surgiu em meio ao movimento por direitos civis nos Estados Unidos, ao final dos anos 60 e década de 70, com os psicólogos negros Wade Nobles e Naim Akbar.

O psicólogo Lucas Veiga, que dá cursos sobre a psicologia preta
O psicólogo Lucas Veiga, que dá cursos sobre a psicologia preta - Karime Xavier/Folhapress

A psicologia preta resgata valores e tradições africanas, lembrando o significado do que é ser humano e oferecendo uma dupla escuta —da singularidade do paciente e também do povo ao qual pertence—, explica Lucas. O objetivo é fazer da terapia um espaço de pertencimento e proteção, assim como eram os quilombos para os negros que foram escravizados.

Segundo Marcus, que há um ano e meio é atendido por Veiga, o diferencial do atendimento é justamente a empatia, algo que conta não ter encontrado no tratamento que fez anos antes com um profissional branco. “Um terapeuta preto entende a minha dor porque ele vive isso também”, diz.

O psicólogo afirma que a experiência de ser negro no país passa por várias formas de violência. No Brasil, de 2006 a 2016, o número de negros alvos de homicídio aumentou 23%, enquanto o de não negros caiu 6,8%, segundo o Atlas da Violência 2018 produzido pelo Ipea (Instituto de Pesquisas Econômica Aplicada) em parceria com o Fórum Brasileiro de Segurança Pública.

Os negros também representam apenas 5% dos profissionais nos conselhos administrativos e nos quadros executivos das maiores empresas do país, segundo dados de 2016 do Instituto Ethos e BID (Banco Interamericano de Desenvolvimento) e são exceção na mídia. Veiga afirma que esse cenário reflete o racismo presente desde o colonialismo em políticas de embranquecimento que marcaram a experiência dos negros, gerando uma sensação permanente de não pertencimento e auto-ódio.

“Num país que é antinegro, em que a cada 23 minutos um jovem negro é assassinado, num país em que eu não me reconheço nos espaços de poder porque a representatividade é mínima, como construir uma identidade de si mesmo que seja positiva? É um trabalho gigante para não ser tomado por afetos tristes que desencadeiam a depressão.”

Além de impactar a autoestima, a violência também afeta a capacidade de confiar no outro e construir um relacionamento saudável, explica o psicólogo.

Embora os negros representem 54% dos brasileiros segundo o IBGE e 25% dos 341 mil psicólogos do país, de acordo com o CFP (Conselho Federal de Psicologia), Veiga conta que foi fora da graduação que aprendeu sobre psicologia preta e conheceu o trabalho de autoras negras que foram pioneiras nos estudos raciais na psicanálise, como Virgínia Bicudo e Neusa Santos Souza, autora da obra “Tornar-se Negro”.

Ele afirma que notou em 2015, durante seu mestrado, essa lacuna na formação ao atender adolescentes negros em situação de rua e dependentes de drogas acolhidos pela instituição Casa Viva, na zona norte do Rio. No espaço, ele, que usava cabelo black power, estranhou o fato de a maioria dos garotos ter a cabeça raspada.

Por indicação de colegas, Lucas passou a buscar referências para fazer um trabalho de construção positiva da identidade negra com os jovens e encontrou a psicologia preta. Ao longo de um ano de atendimento, os jovens começaram a deixar o cabelo crespo crescer e a casa passou a ter um estoque de creme para pentear, conta.

A falta de base teórica também fez as psicólogas negras Mariana Carvalho, 28, no Rio de Janeiro, e Daniela Trindade, 34, em São Paulo, buscarem formações complementares para lidar com questões trazidas por seus pacientes, a maioria negra.

Formada em 2015 na Universidade Mackenzie, Daniela buscou o curso sobre psicologia e reações étnico-raciais do Instituto Amma Psique e Negritude, enquanto Mariana, que se formou em 2014 na UFF, conta que passou por um processo de autorreconhecimento como mulher negra após a graduação ao participar de projetos de sensibilização corporal.

Há um ano, junto com outra psicóloga negra, Mariana criou o grupo terapêutico “Compor pretas”, voltado para mulheres negras, e conta que uma das pacientes relatou que quando era atendida por uma terapeuta branca escutou dela que o racismo não existia.

Ambas participaram dos cursos sobre psicologia preta ministrados por Lucas Veiga nas duas cidades e compartilham os conteúdos com os pacientes. Veiga explica que a psicologia preta só é possível no atendimento feito por negros, o que não impede que profissionais brancos busquem a formação para que se sensibilizem com o tema.

Por isso mesmo, as turmas dos cursos são abertas e cerca de 400 pessoas já participaram. O psicólogo também promove formações para profissionais que atuam no SUS para que o sofrimento psíquico das pessoas negras não seja mais negligenciado.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.