Cabos milionários abriram mão de promoção para continuar em entidade

Policial faz ofício à PM solicitando não querer promoção e salário maior

Rogério Pagnan
São Paulo

Ao menos dois dos cinco cabos aposentados da cúpula da Associação de Cabos e Soldados de São Paulo, que juntos possuem um patrimônio estimado de R$ 11 milhões, abriram mão de serem promovidos a sargento para continuarem como dirigentes da instituição.

Além de maior status e poder na carreira militar, a promoção também significaria mais dinheiro a esses policiais porque a aposentadoria de um sargento é cerca de 7% superior à de um cabo (em torno de R$ 245,74, considerando-se o salário base informado pelo governo de São Paulo).

0
Imagem de drone de uma chácara em Itanhaém (SP), cujo dono é o cabo Wilson de Oliveira Morais, presidente da Associação dos Cabos e Soldados de SP - Bruno Santos/Folhapress

Como dirigentes da associação, uma entidade sem fins lucrativos, os PMs não podem receber salários ou qualquer tipo de remuneração extra, a não ser ressarcimento de despesas com viagens oficiais.
Isso tem uma explicação. Se fossem promovidos, eles não poderiam mais concorrer a novas eleições.

Um dos policiais militares que abriram mão de ser promovido é o diretor jurídico, cabo Marcelo Aparecido Camargo. Ele se aposentou em agosto de 2018.

À Folha o policial disse que fez tal pedido para continuar na associação. “A promoção não ocorreu porque para ser diretor da ACS tem que ser cabo ou soldado, e a diferença entre as graduações é de apenas R$ 200”, disse ele. 

A aposentadoria líquida de Camargo é de R$ 2.436,10.

O outro que abriu mão da promoção é o diretor financeiro, cabo Admilson Aparecido da Silva, que perdeu o prazo para ingressar com pedido de passagem à inatividade e foi reformado compulsoriamente ao completar 52 anos.

Como tinha 31 anos de corporação quando isso aconteceu, em setembro de 2017, o PM teve, portanto, um ano para solicitar a aposentadoria que daria a ele promoção automática. Sem tê-lo feito, foi aposentado à força e perdeu o direito a ser sargento. Procurado, o PM não explicou porque perdeu o prazo.

O vice-presidente da associação, cabo Antonio Carlos do Amaral Duca, também foi reformado compulsoriamente em janeiro de 2013 aos 52 anos. Tinha 26 anos de PM.

Procurado, ele não respondeu se tinha tempo de serviço para poder averbar.

O presidente Wilson de Oliveira Morais, 65, é outro reformado como cabo. Isso ocorreu em março de 1999 quando ele assumiu uma vaga de deputado estadual pelo PSDB e, por isso, ficou na graduação em que estava. Foi reeleito cinco vezes como presidente.

O presidente do conselho fiscal, Gilson Braga, é o único que era soldado e foi aposentado como cabo.

Conforme a Folha revelou na terça (18), esses cinco dirigentes possuem, juntos, um patrimônio estimado em R$ 11 milhões, entre imóveis e veículos, apesar de os PMs paulistas ganharem um dos piores salários do país.

Entre os bens dos policiais estão um sobrado na praia, apartamento de alto padrão, chácaras e veículos de luxo, inacessíveis à maioria dos cabos e soldados paulistas, que enfrentam dificuldades após anos sem reposição salarial.

As aposentadorias líquidas desses PMs variam de R$ 2.436,10 a R$ 5.678,62, e os patrimônios são estimados de R$ 1,5 milhão a R$ 2,9 milhões.

A Associação de Cabos e Soldados tem cerca de 60 mil sócios que pagam mensalidade de R$ 66,92 —ou 4% do salário-base de um soldado. O orçamento anual é de cerca de R$ 50 milhões, e o patrimônio supera R$ 150 milhões.

Procurados, os policiais não se manifestaram. Sobre os patrimônios, cabo Wilson diz que eles são fruto do trabalho como policial e também dos quatro anos como deputado.

Ele nega irregularidades em suas gestões. Afirma ainda que os colegas de diretoria também trabalham e que ter carro novo não é sinal de riqueza. “Hoje todos os policiais fazem bico.”

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.