Grupo de PMs cobra explicação sobre patrimônio de cabos milionários

ONG ligada a agentes de segurança fez protesto em frente sede de associação, na Barra Funda

São Paulo

Um grupo de policiais militares realizou na manhã desta sexta-feira (28) protesto em frente à Associação de Cabos e Soldados de São Paulo, na Barra Funda (zona oste), para cobrar explicações sobre o patrimônio  milionário de diretores da entidade.

A manifestação foi organizada por uma ONG que defende interesses de agentes de segurança (Ondhas) após publicação de reportagem pela Folha que revelou o patrimônio milionário de cinco dirigentes da associação.

“Havia várias acusações dizendo que esse pessoal estava rico, estava bem de vida, mas não tínhamos como provar. Depois que a matéria da Folha foi veiculada, isso causou um grande desconforto em todos nós”, disse o presidente da ONG, Reinaldo Pereira Zacharias, 44, soldado reformado.

Grupo de policiais miliares que fizeram protesto nesta sexta-feira (28) em frente à associação de cabos e soldados - Zanone Fraissat/Folhapress

“O que nós queremos? Que a instituição dê explicações para nós. Nós estamos preocupados com o que está acontecendo como nosso dinheiro. Nós precisamos de lisura”, afirmou ele.

Conforme reportagem da Folha, cinco diretores da entidade, cujas aposentadorias líquidas variam de R$ 2.436,10 a R$ 5.678,62, possuem juntos um patrimônio estimado em R$ 11 milhões. Individualmente, os bens estimados vão de R$ 1,5 milhão a R$ 2,9 milhões.

São bens como sobrado na praia, apartamento de alto padrão, chácaras e veículos de luxo, inacessíveis à maioria dos cabos e soldados paulistas, que enfrentam dificuldades financeiras após anos sem reposição salarial.

Um dos cinco policiais do grupo é o presidente da associação desde 1995, Wilson de Oliveira Morais, 65, que tem um patrimônio estimado em R$ 2 milhões e aposentadoria líquida de R$ 2.493,60, segundo portal de transparência do governo paulista.

Em entrevista, o presidente disse que o patrimônio dele e dos colegas foi construído com trabalho e também com rendas extras vindas de “bicos” e que praticamente todos os PMs de São Paulo tem carros novos. “Hoje todos os policiais fazem bico. Mesmo o salário estando baixo, você chega no pátio de um batalhão e vê os policiais com carro novo.”

O próprio presidente da ONG que protestou em frente à associação disse que a realidade não é essa. Ele mesmo, que tem uma aposentadoria líquida de R$ 1.253,67, vem enfrentando uma série de dificuldades.

“A minha casa está com a luz cortada, a água acabou de religar, não tem gás. Tive que vir para cá de carona. Todo esse pessoal aqui está ferrado, para não dizer outra coisa”, disse o Zacharias.

A Associação de Cabos e Soldados é uma entidade sem fins lucrativos e por isso seus dirigentes não podem receber salários. Criada nos anos 1950 com objetivo de defender os interesses da categoria, tem atualmente cerca de 60 mil sócios que pagam mensalidade de R$ 66,92 —ou 4% do salário-base de um soldado.

O orçamento anual da associação é de cerca de R$ 50 milhões e o patrimônio da entidade supera R$ 150 milhões.

Ligada à Polícia Militar de São Paulo, ela tem como presidente de honra o comandante-geral da corporação.

“Nós também queremos uma explicação do comandante-geral, um posicionamento, o que vai fazer em relação a essa matéria que saiu, essas informações que chegaram até nós. Se ela vai tomar um posicionamento ou não, porque, afinal, ele é o presidente de honra da instituição”, disse Zacharias.

De acordo com os organizadores, se não houver um posicionamento do comandando da PM ou explicações da associação de cabos e soldados, eles devem organizar um protesto em frente ao Ministério Público cobrando previdências.

Participaram da manifestação de ontem ao menos 20 pessoas. “Pela gravidade do problema, deveria haver milhares de pessoas aqui [na manifestação], mas o policial está escravizado, ou está no trabalho ou está no bico”, disse o cabo Vladmir de Carvalho Martins, 57, um dos presentes.

Em nota enviada na noite desta sexta-feira (28), a Polícia Militar afirmou que a associação é uma entidade civil, não subordinada à instituição, e que a previsão do comandante-geral como presidente de honra trata-se de um título honorífico, portanto não imputa a ele responsabilidade de gestão na associação.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.