Descrição de chapéu Obituário Haroldo Serra (1934 - 2019)

Mortes: Mestre do teatro cearense, resistiu nos palcos por 67 anos

Haroldo Serra morreu aos 84 anos de parada cardíaca, no dia 16

Artur Rodrigues
São Paulo

"Teatro: nunca vi uma coisa tão fácil ser tão difícil", costumava repetir o ator e diretor de teatro Haroldo Serra.

O artista cearense falava com a autoridade de quem nadou contra a corrente durante toda a carreira. Diferentemente de outros artistas que buscaram palcos em estados com cena teatral mais estabelecida, Haroldo fez questão de resistir na terra natal, onde foi obrigado a conciliar a arte com o expediente de funcionário público Tribunal de Contas.

Haroldo Serra, diretor de teatro e ator, profissionalizou a cena teatral cearense
Haroldo Serra, diretor de teatro e ator, profissionalizou a cena teatral cearense - Reprodução

Antes de ser considerado mestre do teatro cearense, as histórias sobre sobre espetáculos contadas por um tio agitador cultural fascinavam o menino Haroldo. Ele ainda estava saindo da adolescência quando fundou a primeira companhia, em 1952. Cinco anos depois, criaria o grupo Comédia Cearense, que resiste até hoje.

Diferentemente do que o nome pode dar a entender, o grupo não tinha foco no humor. Encenava de tudo, de Shakespeare a peças de denúncia social de dramaturgos brasileiros.

Um dos destaques da carreira justamente uma obra crítica da desigualdade brasileira, O Morro do Ouro, de Eduardo Campos, com música de Belchior. A peça venceu prêmio de melhor espetáculo do tradicional Festival de Teatro de São José do Rio"Preto, em 1971, em plena ditadura militar.

"Na infância, eu me lembro que os censores requisitavam avaliar o espetáculo. Mas não entendiam de nada. Papai fazia um ensaio para eles, tirava umas coisas, e depois botava tudo de novo", lembra Hiroldo Serra, 55, filho de Haroldo. "Teve um censor que queria porque queria conhecer Sófocles [dramaturgo grego]".

Hiroldo é o atual presidente da Comédia Cearense. Os dois irmãos e a mãe também atuam na companhia em diferentes áreas. "Nenhum aniversário de casa podia ser no dia que tinha ensaio ou espetáculo. Meu pai foi um abnegado".

Mesmo com problemas de saúde, que envolviam o coração, os rins e um tumor no cérebro, Haroldo se manteve na ativa. Um ensaio chegou a ser marcado no quarto de hospital onde estava internado.

Ele morreu aos 84 anos de parada cardíaca, no dia 16. Deixa a mulher, três filhos e netos.
 

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.