Velório de ator de 'Chiquititas' e família reúne centenas de pessoas em SP

Namorada do ator, ex-colegas da novela infantil e familiares foram alguns dos presentes

Júlia Zaremba
São Paulo

O velório e o enterro do ator Rafael Miguel, 22, e dos pais, João Alcisio Miguel, 52, e Miriam Selma Miguel, 50, mortos neste domingo (9), reuniram centenas de pessoas no Cemitério do Campo Grande, na zona sul de São Paulo, nesta segunda-feira (10). 

A namorada de Rafael, Isabela Tibcherani, 18, familiares das vítimas, ex-colegas de elenco do ator e muitos curiosos estiveram presentes, o que causou um certo tumulto na entrada do velório. Além do velório da família, outro também era realizado no mesmo horário. 

Os pais deixam duas filhas: Isabelly Victoria Miguel, 13, e Camilla Miguel, 26 —a mais velha foi ao cemitério e compartilhou fotos da família em uma rede social mais cedo.

​Prima de Rafael e amiga da família, Maria do Carmo Viana relata que o suspeito do crime, Paulo Cupertino Matias, 48, era “possessivo ao extremo” e rude com a filha, Isabela, 18, namorada do ator. Chegava a impedir que fosse para a escola e se relacionasse com amigos.

O casal tinha que namorar escondido para driblar o homem —por causa disso, não conseguiam se ver com tanta frequência. Ela conta que Rafael e os pais haviam ido até a casa da namorada do rapaz para mostrar que “eram uma família boa” e que não fariam mal a ela.

“O Rafael era uma pessoa de coração muito bom, queria ajudar e mostrar para o pai dela, junto com os pais dele, que era um garoto de respeito, de família”, diz.

Viana conta que a família do ator sempre acolheu Isabela: “Ela teve com a família do Rafael o que não teve em casa. Ela teve vida”. A parente também nega que a jovem estivesse grávida e pediu justiça. O suspeito está foragido.

“Se acreditamos em justiça, em Deus, ele [o suspeito] tem que ser preso”, diz. “Destruiu a família do Rafael e a própria filha. Que amor é esse? Não é amor, é possessão, é obsessão.”

O ator Filipe Cavalcante, 19, que interpretou o Rafa em "Chiquititas", foi um dos ex-colegas de elenco presentes no enterro. Ele e a família foram alvo de notícias falsas no domingo, que apontavam que haviam morrido —houve confusão por causa do nome do seu personagem.

Conta que conheceu Rafael no workshop da novela do SBT: "Olhei para ele e pensei: conheço ele de algum lugar. E lembrei do comercial do brócolis [Rafael era o menino que pedia para a mãe comprar a verdura no supermercado]. Deu um sorriso tímido e disse que era ele mesmo."

O rapaz conta que o amigo era uma pessoa tímida, mas "extremamente divertida" e muito próximo à família, principalmente à irmã mais nova, hoje com 13 anos, que costumava visitá-lo nas gravações e era a queridinha do elenco.

A atriz Giulia Garcia, que interpretou Ana na novela, diz que Rafael era muito carismático e que, apesar de se terem se visto muito pouco após o fim da novela infantil do SBT, foi importante na sua vida. "Ele morreu de uma forma muito trágica", diz ela, que, no começo, achou que o assassinato se tratava de outra notícia falsa.

Mãe de Giulia, a empresária Adriana Garcia, que conhecia os pais de Rafael, diz que a família era muito unida e batalhadora.

"O pai levava o Rafael para o SBT quando estava desempregado. A mãe vendia cachorro quente para pagar a faculdade dele", conta. "Eram muito batalhadores. Ele queria ser ator, o sonho dele era ser famoso, e faziam de tudo por ele."

Matheus Chequer, que também participou da novela, conta que está "muito mal". Soube da notícia por meio de publicações em redes sociais. Ele e Rafael não se falavam havia cerca de um ano.

"Foram três anos que a gente viveu muito intensamente. Aconteceram muitas coisas na nossa vida, positivas e negativas. E a gente sempre estava um do lado do outro", diz.

A namorada de Rafael entrou pelos fundos do cemitério e não falou com a imprensa ao chegar ao local. Mais cedo, fez uma publicação em uma rede social na qual escreveu que os dois só queriam “ser livres para amar”.

Rafael e os pais foram mortos a tiros na tarde deste domingo enquanto chegavam à casa da namorada do rapaz, no bairro Pedreira (zona sul de SP). O suspeito, pai de Isabela, fugiu. O caso é investigado pelo 98° DP (Jardim Miriam). 

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.