Churrasqueira usada para espantar frio pode ter causado morte de família na Grande SP

Pai, mãe e filho podem ter morrido por asfixia de fumaça durante o sono em Guarulhos, na Grande SP

São Paulo

Um casal e uma criança de dois anos foram achados mortos dentro de casa na noite desta terça-feira (9) em Guarulhos, cidade da região metropolitana de São Paulo.

A principal suspeita da polícia é de que a família tenha morrido asfixiada após ter inalado fumaça de uma churrasqueira a carvão que estava instalada dentro do cômodo em que eles estavam.

O objeto, diz a polícia, pode ter sido usado para aquecer o quarto da família do frio que atinge a Grande São Paulo desde a última semana.

Morreram Uildes Lima Moreira, 27, Brenno Pinheiro, 2, e a mulher, ainda não identificada pela Polícia Civil. 

Churrasqueira com carvão queimado em quarto de família em Guarulhos, na Grande SP
Churrasqueira com carvão queimado em quarto de família em Guarulhos, na Grande SP - Rivaldo Gomes/Folhapress

Antes de serem localizados, o casal e a criança se trancaram na residência, mas deixaram parte das luzes acesas. Um forte odor de fumaça liberado pela queima de carvão forçou os vizinhos a chamarem a Polícia Militar por volta das 20h10 desta terça.

A família morava há um mês em uma casa alugada no bairro de Bonsucesso. Os policiais entraram na residência usando uma chave reserva que foi disponibilizada pelo proprietário do imóvel.

Os policiais disseram que Uildes foi encontrado abraçado junto ao filho sobre a cama. Já o corpo da mulher estava caído no chão ao lado do móvel.

A polícia suspeita que ao inalar a fumaça rica em monóxido de carbono, os três perderam a consciência por falta de oxigênio e morreram asfixiados. Não foram encontrados sinais aparentes de violência nos corpos e nenhum indicativo de arrombamento da casa.

Os corpos foram levados ao IML (Instituto Médico Legal) de Guarulhos, órgão responsável por atestar a causa da morte das vítimas. O caso será investigado pelo 7º DP da cidade.

MORADORES DE RUA

As baixas temperaturas típicas do inverno têm sido apontadas como a principal causa das mortes de moradores de rua na capital paulista nos últimos dias.

Entre a última sexta-feira (6) e esta segunda (8), quatro pessoas que viviam nas ruas foram achadas mortas. Os casos foram registrados na marginal Tietê, no Terminal Barra Funda (zona oeste), no Pari (centro) e em Itaquera (zona leste).

Em todos as ocorrências, as vítimas estavam sem roupas de proteção contra o frio. Procurada, a gestão Bruno Covas (PSDB) informou que intensificou as ações de acolhimento da população de rua neste inverno.

Segundo o CGE (Centro de Gerenciamento de Emergências), órgão da prefeitura, os próximos dias começarão gelados, mas as temperaturas passarão por elevação.

Na madrugada desta quarta-feira (10), a temperatura mínima média na cidade de São Paulo atingiu 10º C, e a máxima prevista deve chegar na casa dos 22º C. 

Na quinta (11), os termômetros começarão com 10º C e alcançarão os 23º C no final do dia. Na sexta (12), as temperaturas oscilarão entre 11º C e 24º C.

Para os meteorologistas, a massa de baixa pressão que estava segurando o ar frio sobre São Paulo está se deslocando para o oceano, uma explicação para o aumento gradual das temperaturas.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.