Motoristas de app vendem de cerveja a eletrônicos e cosméticos no carro

Para aumentar renda, alguns levam patinetes para carregar em casa à noite; extra ajuda no combustível

Thaiza Pauluze
São Paulo

No carro de Pedro Madureira Neto, 39, o chá e o cafezinho são cortesia que o motorista criado no interior faz questão de manter. Mas um cardápio dá outras opções: o passageiro da Uber, 99 ou Cabify pode escolher comprar chiclete, amendoim, chocolate, refrigerante, água de coco e até uma cerveja antes de chegar ao destino. Os preços variam de R$ 2 a R$ 9.

As corridas por aplicativo são uma espécie de bico que Pedro faz para não perder a viagem da sua casa, na zona sul de São Paulo, ao trabalho como tecnólogo em construção civil numa empresa na zona norte da cidade. As vendas durante o percurso garantem mais um extra —em média R$ 50 por semana.

homem de camisa sentado ao volante de um carro no qual há anúncios de produtos
O motorista de aplicativo Pedro Madureira Neto, 39, que vende produtos dentro do carro - Danilo Verpa/Folhapress

Ele é um dos poucos motoristas que atingiu as cinco estrelas na avaliação e garante que a oferta de produtos não prejudicou a nota.

Isso porque “não é camelô”, diz Marlon Luz, 38, que oferece desde kit com escova e pasta de dente até snacks. Já apostou na cerveja long neck a R$ 5 durante o Carnaval, que “vendeu bem fácil”, mas o maior sucesso, diz, é o combo para celular: carregador portátil, cabo USB e fone de ouvido. Principalmente para quem vem e vai ao aeroporto.

“Não ofereço para não amolar o passageiro, mas tem uma plaquinha indicando quais são os produtos disponíveis. A pessoa pede se quiser e nunca ninguém reclamou”, diz Marlon.

As vendas inauguram um novo mercado: kits ou caixas de produtos feitos por empresas para serem vendidos dentro dos carros. Algumas fabricantes negociam diretamente com os condutores, como é o caso dos acessórios para celular da Multilaser. 

Há também uma parceria institucional da Uber desde maio com o posto de combustíveis Ipiranga e uma empresa de lanches rápidos, a Cargo, em São Paulo e no Rio de Janeiro. O motorista pega na loja de conveniência uma caixa com snacks, bebidas e doces, vende nas corridas e fica com parte do lucro. O cliente pode pagar sem intermediação, basta escanear um QR Code.

A Cabify afirma que não é contra a comercialização, embora ainda não tenha contrato com fornecedores.

Já a 99 se diz favorável ao movimento e afirma ter conversas avançadas com empresas para firmar parcerias do tipo.

Marlon vê a iniciativa como “oportunidade de faturar um pouquinho a mais com o mínimo de esforço e ainda ganhar melhores avaliações”, diz.

Bem, isso na categoria mais barata de viagens por aplicativo, diz o motorista Anderson Mendes, 37. Ele dirige um carro luxuoso, com corridas mais caras, e acha que as guloseimas não agradaram.

“Funciona com um público mais jovem. Mas teve quem deu nota mais baixa”, diz. Isso porque as pessoas se acostumaram a ter água e bala de graça, defende Anderson. “Aí quando você explica ‘esse aqui tem que pagar’ a pessoa te olha torto. Uma moça insistiu em pegar dizendo que o filho ficou com vontade ao ver o chocolate”, conta. 

A aposta de Danilo Pereira da Costa, 35, é na venda de cosméticos. Na mala do seu carro vai uma bolsa repleta de maquiagem, perfume e cremes da Natura, marca com a qual fechou parceria recentemente. O cliente compra pela loja virtual, gera um voucher e pega o produto dentro do veículo. Por enquanto, a dobradinha está em fase de testes. 

Ele também vende acessórios para celular e ganha cerca de R$ 300 a mais por semana. Com a renda extra, o ex-gerente de call center paga a faculdade de engenharia civil.

Danilo e Marlon também apelam para outros aplicativos. No fim do dia, quando encerram as viagens como motoristas, eles enchem o carro de patinetes elétricas. Aí é só deixar numa central de carregamento da empresa ou levar para casa, carregar durante a madrugada e, na manhã seguinte, devolver à rua.

Além de carregar patinetes depois de 15h no volante, o ex-analista financeiro Gilmar Antônio Santana, 47, liga outro aplicativo aos finais de semana: o Bla Bla Car, de viagem compartilhada.

Ele explica que gosta de viajar a cidades do interior para relaxar, como Franca e Marília, pelo menos uma vez por mês. Para dividir os custos do passeio, cadastra a rota no celular e aparecem outros interessados no destino, dispostos a pagar cerca ente R$ 60 e R$ 90 — a carona costuma ser mais barata que a passagem de ônibus. Assim, “dá para unir o útil ao agradável.” 

Pedro teve a mesma ideia, mas para visitar a mãe no interior, em Casa Branca. “Num domingo no final da tarde lota o carro”, diz.

A tática vale ainda para corridas no dia a dia, mas que levam os motoristas para longe da capital. Fica difícil conseguir um passageiro de volta do Guarujá ou Santos, por exemplo. Aí o Bla Bla Car pode ser a saída para abater ao menos o custo do pedágio. “Já me livra desse prejuízo”, diz Marlon.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.