Doria volta a prometer 'Vale do Silício brasileiro' no lugar da Ceagesp

Promessa do governador vem da época em que ele era prefeito de São Paulo

São Paulo

O governador João Doria (PSDB) voltou a prometer a criação do "Vale do Silício brasileiro" no terreno onde hoje funciona a Ceagesp (principal centro de abastecimento de hortifrútis do país), na Vila Leopoldina (zona oeste de SP). 

A meta havia sido assumida ainda quando Doria era prefeito de São Paulo. O tucano postou em suas redes sociais imagens de reunião com o prefeito Bruno Covas (PSDB) para tratar do assunto. 

Doria pretende implantar no terreno do atual Ceagesp o CITI (Centro Internacional de Tecnologia e Inovação), em parceria com a iniciativa privada. A área tem 650 mil m2, em uma vizinhança que passou por um "boom" imobiliário nesta década.

"Estamos discutindo aqui a mudança da Ceagesp, o novo entreposto de São Paulo e as melhores alternativas para a cidade e para o estado", afirmou Doria, em vídeo. 

Neste ano, o tucano anunciou o compromisso do governo Jair Bolsonaro (PSL) de que o espaço, que é federal, seria transferido para outra área da capital paulista.

No entanto, como informou a coluna Mônica Bergamo, a diretoria da Ceagesp diz que não recebeu projeto de alteração de local do entreposto do atual endereço para um novo terreno. “Não há manifestação oficial do governo federal sobre a mudança”, diz o diretor jurídico da Ceagesp, Christopher Aguiar. 

Apesar de insistir na mudança, Doria mudou o prazo para a alteração do endereço do entreposto. Agora, trabalha com um prazo de cinco anos. “Na virada de 2023 para 2024 a Ceagesp não estará mais onde está”, diz o governador João Doria.

Entre as dificuldades para a mudança estão os reflexos sobre fornecedores e comerciantes, questões de logística urbana e até as relações de Doria com Bolsonaro. Antes colado à imagem do presidente, agora Doria tem adotado uma postura mais crítica, o que pode afetar as negociações para mudança da área.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.