Defesa Civil alerta para forte onda de calor em SP

Em algumas cidades do interior as temperaturas vão ultrapassar a casa dos 35°C

Patrícia Pasquini
São Paulo

A quarta-feira (11) promete ser bem quente no estado de São Paulo. Segundo alerta da Coordenadoria Estadual da Defesa Civil, os termômetros alcançarão a casa dos 35°C na região metropolitana, Santos e litoral norte, e em São José dos Campos (Vale do Paraíba), Sorocaba, Campinas, Registro, Bauru, São José do Rio Preto, Araraquara, Franca e Itapeva, no interior do estado.

Clique aqui e veja a previsão do tempo para sua cidade

Em Ribeirão Preto, Araçatuba, Presidente Prudente, Marília e Barretos, também no interior, as temperaturas ficarão entre os 35°C e 38°C.

Com o tempo quente e seco, os índices de umidade devem atingir níveis críticos durante as tardes —abaixo dos 30%. A OMS (Organização Mundial de Saúde) estabelece como adequados à saúde índices iguais ou superiores a 60%.

A Defesa Civil recomenda evitar a prática de exercícios livres entre 11h e 17h, ficar protegido do sol, usar protetor solar e soro fisiológico nos olhos e narinas, e umidificar os ambientes.

 

Capital paulista

Segundo o CGE (Centro de Gerenciamento de Emergências) da Prefeitura, na cidade de São Paulo, a tarde mais quente deste inverno foi registrada nesta terça-feira (10). A média na cidade ficou em 33,5°C. 

A estação de Pinheiros (zona oeste) registrou a temperatura mais alta, de 35,7°C. A média para o mês de setembro é de 25,7°C.

O inverno termina no dia 23 de setembro.


ENTENDA OS RISCOS DA BAIXA UMIDADE

POR QUE É RUIM?

Baixos níveis de umidade relativa do ar são especialmente preocupantes em grandes centros urbanos como São Paulo. Aliada à poluição, a secura torna mais críticas doenças respiratórias como asma, sinusite e alergias, e facilita também a disseminação de doenças do tipo.

É comum também que as mucosas fiquem secas, podendo ocorrer sangramentos no nariz e lábios ressecados e irritação dos olhos. "A mucosa mais seca não reage tanto aos micro-organismos", explica a meteorologista do Inmet.

QUAIS OS CUIDADOS NECESSÁRIOS?

É preciso atenção à hidratação, mais do que o comum. O consumo de água deve ser à vontade. Melhor ainda se aliado à ingestão de bebidas que repõem sais minerais, como água de coco e sucos de frutas que contêm bastante água, como melancia, melão e pera.

Em casa, recomenda-se manter o ambiente úmido, com toalhas molhadas, recipientes com água ou umidificadores.

Quem estiver sentindo incômodo, como narinas ressecadas, pode recorrer a procedimentos de inalação.

Outra opção é o uso de máscaras cirúrgicas descartáveis, à venda em farmácias e comum nesta situação em metrópoles orientais.

É importante ainda manter crianças hidratadas e evitar aglomerações.

POSSO FAZER ATIVIDADES FÍSICAS?

Seja no chamado estado de alerta (12% a 20%) como no estado de atenção (20% a 30%), a recomendação é de que se evite exercícios físicos ou trabalhos que exijam esforço físico no período do final da manhã até o final da tarde (entre 10h e 18h).

FREQUENTAR PARQUES AJUDA?

Quem procura parques para obter um ar de melhor qualidade nestas condições comete um equívoco. Ainda que a concentração de árvores em um ambiente como esse ofereça mais umidade, o fato de ela ser uma "ilha" em meio à poluição traz consequências indesejadas, como grande concentração de ozônio, o que vai irritar ainda mais as mucosas.

Fazer atividades físicas em parques, sendo assim, não é uma solução para dias de baixa umidade. O mesmo vale para ambientes com ar condicionado, como academias, que deixam o ar ressecado e frio.

O ideal mesmo é evitar essa faixa de horário em que o ar está pior. Pode-se recorrer a lavar o nariz com soro fisiológico antes e depois dos exercícios para controlar o ressecamento nasal.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.