Descrição de chapéu Rio de Janeiro

Descoberta de covas clandestinas no Rio revela perfil discreto de milícias

No último ano, autoridades encontraram pelo menos seis cemitérios com mais de 30 corpos

Ana Luiza Albuquerque
Rio de Janeiro

Para matar sem deixar vestígios e ocultar suas chacinas, na última década as milícias do Rio de Janeiro passaram a enterrar os corpos de suas vítimas em cemitérios clandestinos. No último ano, a Polícia Civil e o Ministério Público descobriram pelo menos seis desses cemitérios e, neles, cerca de 30 corpos e mais de 10 ossadas.

Os cemitérios estavam localizados em cidades da Baixada Fluminense, como Queimados e Belford Roxo. A prática de enterrar corpos nesses terrenos é antiga, mas apenas recentemente as autoridades começaram a descobri-los.

Segundo Fabio Corrêa, promotor do Gaeco (Grupo de Atuação Especial no Combate ao Crime Organizado) do Ministério Público, o órgão chega aos cemitérios a partir de informações que surgem durante as investigações sobre as milícias ou a partir de denúncias anônimas.

Com o auxílio de cães farejadores, os investigadores descobrem onde foram enterrados os corpos, que são retirados do local. Para identificar as vítimas, é realizado exame de DNA, posteriormente cruzado com os registros de desaparecidos da região.

De acordo com o promotor, as milícias cometem esses assassinatos para demonstrar seu poder ou punir pessoas com quem tiveram algum tipo de desavença.

Ao esconder os corpos de suas vítimas, esses grupos paramilitares mascaram os índices de homicídio, evitando, assim, chamar atenção para as áreas que estão sob seu controle.

Os cemitérios clandestinos representam apenas um dos cuidados que as milícias passaram a ter a partir de 2008, quando abriram mão da atuação mais ostensiva e foram para as sombras.

Até aquele ano, as milícias eram vistas por parte da sociedade como um mal menor. Em maio de 2008, no entanto, houve uma virada na opinião pública, quando dois jornalistas foram torturados por milicianos na favela do Batan, zona oeste do Rio. 

No mesmo ano, foi aberta na Alerj a CPI das Milícias, que indiciou 266 pessoas. Após a CPI, pelo menos três políticos foram condenados pela Justiça por integrarem grupos paramilitares: o ex-vereador Jerônimo Guimarães Filho (Jerominho), seu irmão, o ex-deputado estadual Natalino José Guimarães, e o ex-vereador Luiz André Ferreira da Silva, o Deco.

Nesse contexto, os grupos paramilitares se sentiram ameaçados e deixaram de lado algumas de suas práticas antigas, como a ostentação de armas, o patrulhamento dos acessos às comunidades e os mortos deixados à vista.

Na Campo Grande dos anos 2000, era comum ver adesivos de morcego colados em carros e casas da região. Alusivos ao Batman, símbolo da Liga da Justiça, milícia que comanda o bairro, os desenhos marcavam os veículos do grupo e as casas que estavam com o pagamento em dia.

Antes de 2008, os milicianos falavam abertamente sobre sua atuação como policiais, como forma de legitimar seu poder sobre a região. Líderes dos grupos paramilitares se candidatavam a vereador ou deputado e era comum entregarem recibos às pessoas que haviam pagado as taxas cobradas pela milícia.

Na última década, os líderes saíram de cena e a extorsão passou a ser terceirizada para “ajudantes”, com frequência jovens cooptados do tráfico. O uso de armas de fogo para intimidação também foi reduzido. 

As milícias também passaram a cobrar pequenas quantias de diversos comércios das comunidades, em vez de cobrar altos valores de poucos. Essa pulverização facilitou que a criminalidade passasse mais despercebida.

A discrição das milícias, no entanto, pode estar em novo processo de mudança. Segundo o sociólogo e professor da UFRRJ José Cláudio Alves, que estuda o tema há mais de 20 anos, desde o ano passado os grupos paramilitares estão se sentindo mais respaldados e confortáveis para sair da toca. 

O ponto de virada para esse movimento teria sido o assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL), possivelmente levado a cabo pela milícia. O policial reformado Ronnie Lessa e o ex-PM Élcio Vieira de Queiroz foram presos acusados de matar a vereadora, assassinada em março do ano passado. De acordo com o Ministério Público, há indícios de que os acusados teriam ligações com uma milícia. As investigações continuam para esclarecer essas relações e revelar se havia um mandante por trás do crime.

Para o professor, a intervenção federal no Rio de Janeiro e a vitória da direita nas últimas eleições consolidaram um cenário favorável para a expansão desses grupos. 

“[Os milicianos] não se viram mais numa conjuntura de CPI, ameaçados, mas sim de expansão, de crescimento, parceiros nesse projeto de intervenção [...] Não se veem como inimigos do projeto, mas como alguém que está junto”, diz.

Um exemplo da maior ostensividade das milícias está na diversificação de suas fontes de renda, ocupando negócios antes intocados como, por exemplo, a exploração de aterros clandestinos para a colocação de lixo.

José Cláudio afirma que os chefes continuarão nos bastidores, escondidos com o auxílio de informações privilegiadas às quais têm acesso por fazerem parte do aparelho do Estado. 

“As milícias tendem a usar sua forma mais ostensiva quando se veem ameaçadas e com respaldo suficiente para fazer. Não vão lançar mão disso de uma forma atabalhoada, para retroceder ganhos, mas sim cirurgicamente.”

O professor acredita que as eleições municipais de 2020 serão terreno fértil para a candidatura de integrantes desses grupos. 

Na última semana, o ex-vereador Jerônimo Guimarães Filho, o Jerominho, preso por chefiar a milícia Liga da Justiça, anunciou que deseja se candidatar à Prefeitura do Rio. Sua filha, a ex-vereadora Carminha Jerominho, que chegou a ser presa, também disse que quer se eleger no ano que vem e retornar à Câmara Municipal.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.