Menina de oito anos morre baleada no Rio de Janeiro

Ágatha Félix foi atingida nas costas dentro de um veículo na noite de sexta (20)

Lucas Lacerda Naná DeLuca Nicola Pamplona
São Paulo e Rio de Janeiro

Agatha Vitória Sales Félix, 8, morreu na madrugada deste sábado (21) no Hospital Estadual Getúlio Vargas, na Penha, bairro da zona norte do Rio de Janeiro. Ela foi atingida na sexta (20) por um tiro nas costas quando estava dentro de uma Kombi que transitava pela Fazendinha, no Complexo do Alemão. 

Visto de longe, o morro tem várias casas de alvenaria. É um dia ensolarado.
Vista do Complexo do Alemão, zona norte do Rio de Janeiro. - Danilo Verpa/Folhapress

Em nota, a Polícia Militar afirma que, por volta das 22h desta sexta-feira (20), equipes da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) Fazendinha localizadas nas proximidades das ruas Antônio Austragésilo e Nossa Senhora "foram atacadas de várias localidades da comunidade de forma simultânea. Os policiais revidaram à agressão". 

O relato de moradores, porém, diz que a equipe policial abriu fogo contra uma moto, e que não houve confronto. Ao Voz das Comunidades, moradores afirmaram que o disparo que atingiu Ágatha partiu da polícia. 

Na manhã deste sábado (21), os moradores do Complexo do Alemão realizam protesto contra a violência policial na comunidade e pela morte de Ágatha. Desde o início do dia, a hashtag #ACulpaÉdoWitzel é o assunto mais comentando no twitter brasileiro.   

O governador Wilson Witzel (PSC) foi procurado para declaração sobre a morte da criança. A assessoria do governo, em nota enviada à Folha, disse lamentar "profundamente a morte da menina Agatha, assim como a de todas as vítimas inocentes, durante ações policiais".

A nota ainda firma que o trabalho da polícia é guiado por "informações da área de inteligência" e, além disso, "segue protocolos rígidos de execução". A assessoria completa ainda que a PM já abriu procedimento para apurar a ação policial. 

Por meio de sua conta no Twitter, em resposta ao site Fogo Cruzado (que monitora a violência armada no Rio de Janeiro), a Polícia Militar lamentou a morte de Ágatha e disse que "Ela foi ferida ontem quando criminosos atacaram covardemente policiais da UPP".

 

Nesta semana, operações policiais resultaram em quatro mortes no Jacarezinho, na segunda-feira (16), e seis vítimas no Alemão, na quarta (18). 

Aumento de mortes

A área onde está situado o Complexo do Alemão, na zona norte da cidade, teve um aumento das mortes violentas na comparação com o ano passado.

Considerando os dados publicados pelo Instituto de Segurança Pública (ISP) para o período de janeiro a agosto de 2019,  houve 62 mortes no índice de letalidade violenta. Este número é igual ao total de mortes registradas na região do Alemão em 2018.

Segundo dados da ONG Rio de Paz, Ágata Félix é a 57ª criança a morrer baleada no Rio de Janeiro desde 2007. A Fogo Cruzado, por sua vez, registra que 16 crianças foram baleadas na região metropolitana do Rio em 2019. Destas, cinco morreram. 

Já as mortes totais por intervenção de agentes do Estado na localidade, de janeiro a agosto de 2019, chegam a 31. Em todo o ano passado, foram 23. 

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.