Descrição de chapéu Obituário Eugênio Claudenei Ribeiro (1967 - 2019)

Mortes: Professor, usou a filosofia para despertar a felicidade

Eugênio Claudenei Ribeiro provocava reflexões sobre a vida

Patrícia Pasquini
São Paulo

O professor Eugênio Claudenei Ribeiro tinha um jeito atípico de cumprimentar as pessoas. Segundo a esposa, a microempresária Vera Lúcia de Melo Ribeiro, 57, ele perguntava a todos: "Você está feliz hoje?". A ideia do filósofo era provocar uma reflexão sobre a vida. 

Nascido em Nova Esperança (PR), após os 16 anos morou em Curitiba (PR), Corupá e Brusque (SC), onde se estabeleceu.

Realizou o desejo de entrar para a igreja ortodoxa e tornar-se padre. Após três anos, percebeu que alguns preceitos da igreja iam contra a sua maneira de pensar e desistiu da vocação. Sem vínculo com igrejas, continuou com a celebração de casamentos. Ribeiro estava finalizando o programa de um 
curso sobre o assunto

Professor Eugênio Ribeiro
Professor Eugênio Ribeiro - Arquivo pessoal

Desde 1998, ministrava aulas de ética na Universidade Federal de Santa Catarina, onde trabalhou até os últimos dias de vida. Os poucos horários de descanso eram dedicados ao estudo e para assistir 
a filmes e séries de ação.

“Meu marido também adorava organizar festas. Todos os anos, ele reunia os alunos em casa para encerrar o ano letivo”, conta a esposa.

Cativante, honesto, pai dedicado e excelente esposo. Desta forma, Ribeiro era descrito por todos. Além do cuidado e carinho com a família e os alunos, Ribeiro também se dedicava à Escola Charlotte, uma entidade que cuida de crianças com Síndrome de Down. 

Ao morrer, ele deixou o projeto de um livro em curso. O Despertar dos Deuses está em fase de revisão. Será lançado pela internet com acesso gratuito.

Eugênio Claudenei Ribeiro morreu dia 27 de agosto, aos 57 anos, por complicações de um AVC. Deixa esposa e uma filha.

 

​​coluna.obituario@grupofolha.com.br

Veja os anúncios de mortes

Veja os anúncios de missas​​

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.