Primeiro dia do festival #Agora fala sobre desafios de mulheres no poder

Evento em SP discutiu baixa representatividade feminina na política

Júlia Zaremba
São Paulo

A violência política contra mulheres e a baixa representatividade feminina nas esferas do poder foram o foco dos debates realizados neste sábado (22) durante o Festival #Agora, do coletivo feminista #AgoraÉQueSãoElas.

O evento foi realizado à tarde no CCSP (Centro Cultural São Paulo), no centro da capital paulista, e reuniu centenas de pessoas. 

A ex-ministra do Meio Ambiente e ex-senadora Marina Silva foi uma das palestrantes convidadas.
Disse que o presidente Jair Bolsonaro (PSL) não tem competência para lidar com mulheres e que não quer se envolver na “polarização tóxica” que domina o país atualmente.

Mulheres durante manifestação do Dia Internacional da Mulher, em São Paulo
Mulheres durante manifestação do Dia Internacional da Mulher, em São Paulo - Eduardo Anizelli/Folhapress

Ela também criticou o fato de pessoas dizerem que está sumida, em meio a discussão sobre violência política de gênero. 

“Trabalho de manhã, de tarde e de noite em prol das causas que acredito”, afirmou. “É a violência difusa. Por que não dizem que o Alckmin está sumido?”

Antes dela, Ligia Fabris, da FGV Direito Rio, e Teresa Sacchet, da UFBA (Universidade Federal da Bahia) falaram sobre a baixa representação de mulheres na política. 

O projeto de lei que busca esvaziar o sistema de cotas para candidatas mulheres, que está em discussão no Congresso, foi criticado por elas. 

De autoria da deputada Renata Abreu (Podemos-SP), o texto diz que, caso um partido não atinja o percentual de 30% de candidaturas femininas, poderá deixar as vagas vazias. 

A ex-prefeita de São Paulo, Luiza Erundina, a deputada federal Joênia Wapichana e a ativista Monica Benicio, viúva de Marielle Franco, também estavam entre as convidadas do dia. 

O Festival #Agora, apoiado pela Folha, continua neste domingo, das 14h às 21h30. É gratuito —algumas atividades exigem ingresso, que pode ser adquirido pelo Sympla. 

Além de debates, a programação inclui mostra de cinema, oficinas e feira de empreendedorismo negro, entre outras atividades. Podem ser vistas em festivalagora.com.br.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.