Traje inclui crianças negras em atividades do principal feriado do Rio Grande do Sul

Uniforme dos Lanceiros Negros, soldados escravizados que foram traídos, é usado para reafirmar identidade na Semana Farroupilha

Paula Sperb
Porto Alegre

A cena se repete anualmente nos dias que antecedem o 20 de setembro, principal feriado gaúcho. Por todo o Rio Grande do Sul, crianças são autorizadas a trocar seus uniformes escolares pelas roupas típicas de prenda (vestido feminino) e peão (camisa e bombacha).

Os trajes são usados enquanto aprendem sobre a Revolução Farroupilha (1835-1845), guerra civil entre os republicanos, que declararam independência, e o governo imperial brasileiro.

Porém, pouco se fala sobre a participação negra na chamada Guerra dos Farrapos. Centenas de africanos escravizados foram incorporados à divisão dos Lanceiros Negros, do exército gaúcho, com a promessa de ganharem liberdade ao final do conflito.

Eles lutaram em diversas batalhas, mas antes de serem libertados foram traídos em uma emboscada conhecida como Massacre de Porongos, na madrugada de 14 de novembro de 1844. Centenas foram assassinados. Os que escaparam foram levados à corte, no Rio de Janeiro, para servirem como escravos. 

Por isso, o grupo cultural Afro-Sul Odomode produziu trajes iguais aos dos Lanceiros para que as crianças negras também se reconheçam na história sul-riograndense. 

 

A ideia que chegou aos estudantes negros neste ano surgiu em 2018, na família de Edjana Deodoro, 38, cujos pais fundaram o Afro-Sul há 45 anos em Porto Alegre.

"Tinha festa na escolinha do meu filho, mas não queria fantasiá-lo de gaúcho. Resolvermos fazer a roupa de Lanceiro Negro. Explicamos a história e ele foi sabendo que estava vestido de herói", conta. 

A ideia repercutiu nas redes sociais e, neste ano, Edjana e sua mãe, Iara Deodoro, professora de dança afro, receberam encomendas. "Fiquei chocada que as professoras da escola não reconheceram a indumentária. Então propus para minha mãe: 'Ano que vem vamos fazer para mais crianças, não vamos vestir nossos filhos com as roupas dos opressores'", relembra Edjana. 

A documentação histórica confirma a opressão mencionada por Edjana. A maioria dos republicanos gaúchos era escravagista e se opôs à abolição durante a elaboração da Constituição da República Rio-Grandense. 

A Revolução Farroupilha usou o dinheiro da venda de escravos para bancar custos da guerra, concluiu Juremir Machado da Silva, autor de "História Regional da Infâmia" (L&PM, 2010) e professor da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC-RS), ao pesquisar 15 mil documentos que integram a coleção do Arquivo Histórico do Rio Grande do Sul. 

"Quando começaram a negociar anistia, o Império pediu a devolução dos negros. Devolvê-los seria traição, mas temiam a convivência com os negros a quem tinham prometido liberdade. Costuraram, então, duas soluções: o Massacre de Porongos e a retirada dos sobreviventes para o Rio de Janeiro", diz o professor.

O fim trágico dos soldados não foi omitido das crianças que participaram de atividade do Afro-Sul no último sábado (14). "Atenuamos um pouco, mas era importante que entendessem a traição. Destacamos o heroísmo dos negros e vimos o brilho nos olhinhos deles. Ainda assim, a gente não vê motivo para comemorar a Semana Farroupilha em si", conta Edjana.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.