Descrição de chapéu Rio de Janeiro

'Até quando vamos enxugar sangue como se enxuga gelo?', diz mãe de jovem morto pela polícia no RJ

Grupos de defesa de direitos humanos e deputados estaduais se reuniram contra política de segurança de Witzel

Júlia Barbon
Rio de Janeiro

“Queremos uma resposta desse governador: até quando vamos enxugar sangue como se enxuga gelo?”, perguntou Maria Dalva Correa, mãe de Thiago, 19, morto por policiais em uma chacina no morro do Borel há 16 anos, em uma das falas mais aplaudidas.

Ela falava a integrantes de grupos de defesa de direitos humanos e deputados estaduais do Rio de Janeiro que se reuniram na manhã desta quinta (17) em uma audiência pública na Alerj (Assembleia Legislativa) para debater a política de segurança pública no estado e criticar o governo Wilson Witzel (PSC).

Ativistas por direitos humanos e deputados discutem segurança pública na Alerj, no RIo de Janeiro
Ativistas por direitos humanos e deputados discutem segurança pública na Alerj, no RIo de Janeiro - Júlia Barbon/Folhapress

Eles cobraram medidas como a suspensão do uso e disparos de helicópteros em ações policiais em favelas e de incursões durante a noite e durante os horários de entrada e saída das escolas —nos moldes de uma ação civil pública que já existe no Complexo da Maré, na zona norte carioca. 

“Essa licença para matar é só para o negro e favelado. Queremos o direito de andar com guarda-chuva na favela, de estar em cima da laje, de ir ao mercado. Quando levamos o nosso filho para a escola, queremos que ele volte”, discursou Maria Dalva, que até hoje não viu a condenação de responsáveis pela morte de seu filho. 

Ela se referia a vítimas recentes que não tinham relação com o crime e com confrontos, como o pedreiro José Pio Junior, que trabalhava em uma laje na Vila Kennedy, e a menina Ágatha Félix, 8, que voltava de um passeio com a mãe de Kombi no Complexo do Alemão.

Participaram da audiência seis comissões da Alerj, incluindo as de Direitos Humanos, de Mulheres e de Educação, mas não a de Segurança. “É a primeira vez que essa junção acontece, por conta da gravidade do que está acontecendo”, defendeu a deputada Enfermeira Rejane (PCdoB). 

Estiveram na reunião também membros da Defensoria Pública e do Ministério Público, que tem sido criticado por defensores de direitos humanos quanto à fiscalização da atuação policial. 

“Temos inquéritos civis que tratam da colocação de câmeras [em viaturas], do uso de helicópteros, da preservação do local de mortes. Também temos 58 denúncias de violência policial. Sabemos que o tempo de investigação não é o tempo da realidade e de impedir outras tragédias, mas nossa intenção é em curto prazo produzir medidas com eficácia maior”, defendeu o promotor Paulo Roberto.

O governo estadual foi convidado, mas não enviou representantes. “Deveriam estar nessa mesa os secretários de Polícia Militar e Civil”, cobrou a deputada Renata Souza (PSOL). “Queremos protocolos mínimos como ambulâncias na entrada das favelas quando tem operação, porque sabemos que vai ter feridos. Não queremos saber de informações da inteligência nem nada disso.”

O evento ocorre num contexto de aumento de mortes por policiais no RJ, que vêm subindo há cinco anos e batendo recordes sucessivos neste ano. Foram 1.249 óbitos de janeiro a agosto, um aumento de 16% em relação ao mesmo período do ano passado.

Witzel tem discursado em favor de uma política de confronto em comunidades e defendido operações policiais que terminam em mortes mesmo antes das investigações. Nesta quarta (16), ele disse que fechará acessos a favelas como parte de um plano para combater roubos de cargas no estado, sem detalhar como isso se daria.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.