Descrição de chapéu Obituário Maria Creuza Britto de Figueiredo (1945 - 2019)

Mortes: Cultivou a alegria e levou humildade à justiça

Maria Creuza Britto de Figueiredo ingressou no Ministério Público aos 22 anos

Patrícia Pasquini
São Paulo

A procuradora de justiça aposentada, Maria Creuza Britto de Figueiredo –ou Creuzinha, como era chamada pelos mais íntimos– deixou alegria por onde passou.

A irmã, a médica Magna Consuelo Brito Roriz, 61, conta que ela estava sempre de bem com a vida. “Em tom de brincadeira, dizia que doença era comigo e as festas, com ela”, relata.

E estava certa: Creuzinha transformava encontros com a família e os amigos em festa. “Ela era a nossa alegria. Gostava de tudo o que a vida tinha de bom: dançar, viajar, reunir amigos e de trabalhar”.

Maria Creuza Britto de Figueiredo
Maria Creuza Britto de Figueiredo - Ministério Público do Estado de Sergipe

Nasceu em Lagarto (SE) e morou em alguns municípios do estado até chegar a Aracaju. Ingressou no Ministério Público aos 22 anos; foi corregedora-geral e eleita presidente do Conselho Nacional dos Corregedores Gerais do Ministério Público dos Estados e da União no biênio 2009/2010. Dedicou 48 anos da sua vida à instituição. 

A trajetória profissional também se estendeu à área da educação: coordenou o departamento de alimentação escolar da Secretaria de Estado da Educação, em Sergipe.

Humanidade e doçura nas suas relações pessoais e de trabalho foram as suas marcas. “Dra. Creuza era uma mulher de grandes qualidades. Desempenhou com galhardia o cargo de promotora de Justiça e procuradora do Ministério Público e deixou um legado de competência, humildade, força e determinação”, afirma o defensor público-geral Leo Neto.

Maria Creuza Britto de Figueiredo morreu no dia 2 de outubro, aos 74 anos, de embolia pulmonar. Deixa marido, três filhos, oito netos e um bisneto.

coluna.obituario@grupofolha.com.br
 
Veja os anúncios de mortes

Veja os anúncios de missas

 
Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.