Descrição de chapéu Obituário Ivan Cardoso (1963 - 2019)

Mortes: Paraense, cultivou o amor pela música e amou a família

Ainda criança, Ivan Cardoso confeccionou o primeiro violão, de lata

Patrícia Pasquini
São Paulo

O torcedor fanático do Clube do Remo adorava os campos de futebol, mas o talento pela música falou mais alto. 

Ainda criança, confeccionou o primeiro violão, de lata. Aos 8 anos, começou a tocar.

Ivan Cardoso nasceu em Cametá (PA), onde viveu até há seis anos, quando mudou-se com a família para Parauapebas, no mesmo estado, para investir na carreira musical.

Nem a distância o separou da sobrinha Suanne Felix, 29, que considerava como filha. Ela conta que Cardoso estava feliz por saber que conseguiria passar o próximo Natal com a família, e pela viagem a Paris, já programada.

Ivan Cardoso
Ivan Cardoso - Arquivo pessoal

A trajetória como cantor, compositor e instrumentista soma 40 anos. “Ele era amado pelo público de Belém e região, e popular nas emissoras de rádio”, diz Felix.

O nome do primeiro dos quatro CDs que lançou —todos de forma independent— deu origem ao seu apelido: Moleque Tinhoso. 

A mesma canção o levou ao último Festival de Música Popular Brasileira da Globo, em 2000. Ele foi o único músico da região Norte do país classificado para participar entre 27 mil composições.

A mistura da emoção com o nervosismo o atrapalhou o festival, mas, ainda assim, ficou entre os finalistas. 

Quando não estava com o violão nas mãos ou no processo de criação de alguma música, o talento para a culinária entrava em cena. 

“Meu tio adorava e sabia cozinhar muito bem, principalmente peixes. Ele ficava feliz quando reunia a família e os amigos”, afirma Felix.

“Ele era o alicerce da família e nos deixou a importância do amor, da amizade e união”, completa a sobrinha.

Ivan Cardoso morreu no dia 12 de outubro, aos 56 anos, de parada cardíaca. Deixa esposa e três filhos.

coluna.obituario@grupofolha.com.br

Veja os anúncios de mortes

Veja os anúncios de missas

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.