Descrição de chapéu Obituário Eduardo Bleier Horovitz (1927 - 2019)

Mortes: Uruguaio tem despedida 43 anos após a morte

Eduardo Bleier foi velado por centenas de pessoas, em Montevidéu, nesta segunda-feira (14)

Fernanda Canofre
Belo Horizonte

Aos 14, Gerardo Bleier sentou em um bar, no centro de Montevidéu, para um dos eventos mais importantes da sua vida. Encontrou o pai, olhos azuis fortes, depois de mais de um ano separados.

O início da ditadura no Uruguai obrigou Eduardo, militante do Partido Comunista, a viver clandestino.

Correu o risco para encontrar o filho, depois de saber que ele fora preso por pichar “abaixo a ditadura”.

Naquele dia, Gerardo viu o pai chorar pela primeira vez. A última vez juntos.

Uruguaios fazem fila para prestar homenagem a Eduardo Bleier, líder comunista cujos restos foram encontrados em um antigo centro de tortura da ditadura
Uruguaios fazem fila para prestar homenagem a Eduardo Bleier, líder comunista cujos restos foram encontrados em um antigo centro de tortura da ditadura - 14.out.2019 - Eitan Abramovich/AFP

Nascido em um povoado de Lavalleja, filho de imigrantes judeus húngaros, Eduardo aprendeu a amar a natureza. Seguiu um “gaúcho judeu”, mesmo vivendo na capital.

Era sensível e sereno, exceto em dois casos: quando via egoísmo ou ouvia violinos iguais aos de seus ancestrais europeus. 

Virou comunista ainda estudante —não chegou a terminar o curso de odontologia para se dedicar ao partido.

Meses depois daquele último encontro, Eduardo foi sequestrado pelos militares. Era 29 de outubro de 1975.

Primeiro, foi levado a um centro conhecido como “inferno pequeno”, onde foi “destruído fisicamente”. Depois, para o “inferno grande”, no Batalhão 13, onde o mataram.

O regime ainda o registrou como foragido. Anos depois, disseram que ele fora cremado e as cinzas espalhadas no rio da Prata. Gerardo digeriu a notícia num livro chamado “Cenizas”.  

No dia 7, uma ossada encontrada a um metro de profundidade, nos fundos do Batalhão, foi identificada como sendo de Eduardo. Morto entre os dias 1º e 5 de julho de 1976 pela tortura, aos 48.

Eduardo teria hoje oito netos e os quatro filhos —Irene, Carlos, Gerardo e Rosana. Rosa, mãe de três deles, morreu há dois anos, sem encontrá-lo.

coluna.obituario@grupofolha.com.br

Veja os anúncios de mortes

Veja os anúncios de missas

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.