Porteiro afirmou que suspeito de matar Marielle pediu para ir à casa de Bolsonaro, diz TV

Élcio Queiroz disse na portaria de condomínio que iria à casa do então deputado, segundo depoimento obtido pelo Jornal Nacional; Bolsonaro, no entanto, estava em Brasília

São Paulo

O principal suspeito de matar a vereadora Marielle Franco (PSOL) e o motorista Anderson Gomes, o sargento aposentado da Polícia Militar, Ronnie Lessa, reuniu-se com outro acusado, o ex-policial militar Élcio Queiroz, no condomínio Vivendas da Barra, na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro. É o mesmo local onde o presidente Jair Bolsonaro tem uma casa.

A reunião ocorreu no dia do crime, em 14 de março de 2018. As informações são de depoimento obtido pelo Jornal Nacional, da TV Globo.

Segundo depoimento de um porteiro do condomínio, obtido pelo programa, Élcio teria dito na portaria que iria à casa de Jair Bolsonaro, que na época era deputado. Os registros de presença da Câmara dos Deputados, no entanto, mostram que Bolsonaro estava em Brasília nesse dia.

Segundo veiculado no Jornal Nacional, o livro de visitantes aponta que, às 17h10, Élcio informou que iria à casa de número 58. O porteiro disse no depoimento, no entanto, que acompanhou por câmeras a movimentação do carro no condomínio e que Élcio se dirigiu à casa 66, onde mora Lessa. 

O porteiro teria ligado novamente para a casa 58; segundo ele, quem atendeu disse que sabia para onde Élcio estava se dirigindo.

No depoimento, o porteiro teria dito que, nas duas vezes que ligou para a casa 58, foi atendido por alguém cuja voz julgou ser de Jair Bolsonaro.

Bolsonaro tem duas casas dentro do condomínio —uma de sua família e outra onde reside um de seus filhos, o vereador Carlos Bolsonaro (PSC).

Os investigadores estão recuperando os arquivos de áudio da guarita do condomínio para saber com quem o porteiro conversou naquele dia e quem estava na casa 58, segundo o Jornal Nacional.

Bolsonaro respondeu nesta terça (29) à reportagem da TV Globo em transmissão nas redes sociais, em que se isentou de responsabilidade pelo crime e fez duras críticas à imprensa, sobretudo à TV Globo, pelas reportagens que envolvem não apenas ele mas também seus familiares. Ele ainda insinuou que as informações do processo, que está sob sigilo, teriam sido vazadas pelo governador Wilson Witzel (PSC-RJ).

Em nota, o governador fluminense disse lamentar a reação de Bolsonaro, a qual classificou como "intempestiva". Witzel afirmou ainda não haver interferência política nas investigações e que não compactua com vazamentos à imprensa.

A Globo, por sua vez, afirmou que lamenta que o presidente demonstre "não conhecer a missão do jornalismo de qualidade e use termos injustos para insultar aqueles que não fazem outra coisa senão informar com precisão".

"Estou à disposição para falar nesse processo, conversar com esse delegado sobre esse assunto, pra começar a colocar em pratos limpos o que está acontecendo no meu nome. Por que estão querendo me destruir?", questionou Bolsonaro durante a transmissão desta noite. Ele disse que não conhecia Marielle e que não tinha nenhum motivo para querer matar alguém. O presidente afirmou ainda que o porteiro pode ter assinado o depoimento sem ler.

O advogado do presidente Jair Bolsonaro, Frederick Wassef, contestou à TV Globo o depoimento do porteiro, que classificou de farsa com o intuito de atacar a imagem do presidente. "Talvez, esse indivíduo tenha ido na casa de outra pessoa, e alguém, com intuito de incriminar o presidente da República, conseguiu um depoimento falso, onde essa pessoa afirma que falou com Jair Bolsonaro. O presidente não conhece a pessoa de Élcio, e essa pessoa não conhece o presidente", disse ele.

As defesas de Ronnie Lessa e Élcio Queiroz não responderam às tentativas de contato. Eles foram presos no dia 12 de março deste ano e posteriormente denunciados pelo Ministério Público sob acusação de terem cometido os homicídios de Marielle e Anderson. 

O ex-policial militar Élcio Vieira de Queiroz ao lado do presidente Jair Bolsonaro (PSL)
O ex-policial militar Élcio Vieira de Queiroz ao lado do presidente Jair Bolsonaro (PSL) - Reprodução/Facebook

Em nota à imprensa, o presidente nacional do PSOL, Juliano Medeiros, exigiu esclarecimentos imediatos sobre o caso. "O Brasil não pode conviver com qualquer dúvida sobre a relação entre o presidente da República e um assassinato. Exigimos respostas. Exigimos justiça para Marielle e Anderson", diz.

Supremo Tribunal Federal

Ainda segundo o programa, no dia 17 de outubro representantes do Ministério Público do Rio foram até Brasília para uma consulta com o presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Dias Toffoli.

Sem avisar o juiz do caso no Rio, eles questionaram se poderiam continuar a investigação depois que foi citado o nome do presidente Bolsonaro. O ministro Dias Toffoli ainda não se pronunciou sobre o caso.

Em nota, o Ministério Público do Rio de Janeiro afirmou que as investigações para apurar os envolvidos no crime continuam integralmente a cargo da Delegacia de Homicídios, subordinada à Secretaria de Polícia Civil do Estado do Rio de Janeiro, e está sob sigilo judicial.

Marielle Franco foi assassinada quando voltava de um debate com mulheres negras na Lapa, no centro do Rio, em março de 2018. Seu veículo foi atacado a tiros no Estácio. Ela, que estava sentada no banco de trás, foi atingida por quatro disparos na cabeça e Anderson, por três nas costas. A assessora Fernanda Chaves também estava no carro e sobreviveu.

Investigação da Polícia Federal remetida à PGR (Procuradoria-Geral da República) em setembro diz, com base em depoimentos e interceptações de diálogos, que o conselheiro afastado do TCE-RJ (Tribunal de Contas do Rio de Janeiro) Domingos Inácio Brazão é o principal suspeito de ser o mentor dos assassinatos.

Em seu último dia no cargo, a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, denunciou ao STJ (Superior Tribunal de Justiça) cinco suspeitos de fraudar as investigações sobre o assassinato de Marielle e de Anderson, com o objetivo de impedir a identificação dos verdadeiros responsáveis pelos crimes.

Brazão teria ligação com milicianos do Escritório do Crime – grupo formado por matadores de aluguel e que teria interesse na morte da vereadora. Ele foi afastado do cargo em 2017, durante a Operação Quinto do Ouro, que apontou pagamento de propinas a integrantes do TCE fluminense.

Se o STJ abrir a ação penal requerida por Dodge, os suspeitos vão responder pelos crimes de obstrução de Justiça, favorecimento pessoal e falsidade ideológica.

Suspeitos do assassinato de Marielle e Anderson

Execução

Ronnie Lessa
Policial Militar reformado e ex-integrante do Bope, foi denunciado pelo Ministério Público pelo assassinato de Marielle e Anderson. Ele é suspeito de ter efetuado os disparos. Está preso na Penitenciária Federal de Porto Velho

Élcio Queiroz
Expulso da Polícia Militar, também foi denunciado pelo Ministério Público pelo assassinato de Marielle e Anderson. É suspeito de ter dirigido o carro usado na emboscada contra a vereadora. Assim como Lessa, está preso na Penitenciária Federal de Porto Velho

Mandante e obstrução da investigação

Domingos Brazão (ex-MDB)
A ex-procuradora-geral da República, Raquel Dodge, pediu a abertura de inquérito para apurar se o ex-conselheiro do TCE-RJ foi o mandante do duplo homicídio. Investigação da Polícia Federal remetida à PGR indica Brazão como o principal suspeito de ser o mentor dos assassinatos. Ele teria ligação com milicianos do Escritório do Crime, grupo formados por matadores de aluguel. O ex-conselheiro do TCE foi denunciado pela PGR por usar a estrutura de seu gabinete para implicar o miliciano Orlando Curicica e o vereador Marcelo Sicilliano pelo assassinato de Marielle. Teria cooptado pessoas para prestar depoimentos falsos e desviar o foco das investigações

Obstrução da investigação

Elaine Lessa
Mulher de Ronnie Lessa, foi denunciada e presa pelo Ministério Público por obstruir a Justiça ao comandar uma ação para sumir com as armas do marido

Bruno Figueiredo Lessa
Irmão de Elaine, teria ajudado Márcio Montavano a entrar no condomínio de Lessa para recolher o armamento do policial

Josinaldo Freitas
Na foto com Bolsonaro, Josinaldo, conhecido como Djaca, é suspeito de ter contratado um barqueiro para levá-lo ao mar, onde teria descartado as caixas com as armas de Ronnie. Entre elas, pode estar a arma utilizada para matar Marielle

Rodrigo Jorge Ferreira
O policial militar, conhecido como Ferreirinha, prestou falso testemunho à PF ao incriminar Curicica e Sicilliano como mandantes do crime

 Márcio Montavano, Hélio Kristian Cunha de Almeida e Gilberto Ribeiro da Costa                                                O Ministério Público acusa Márcio de ter retirado uma caixa com armas do apartamento de Ronnie Lessa. O delegado federal Hélio, que teria ligações com Brazão, ouviu informalmente Ferreirinha, que apontou erroneamente os mandantes do assassinato. Policial federal aposentado, Gilberto era funcionário do gabinete de Brazão no TCE e teria ajudado a plantar uma testemunha falsa para implicar Curicica e Sicilliano

Camila Moreira Lima Nogueira                                                                                                                        Advogada de Ferreirinha, é acusada de ter participado do esquema para obstruir as investigações

Erramos: o texto foi alterado

Carlos Bolsonaro é do PSC (Partido Social Cristão) e não do PSL (Partido Social Liberal). O texto foi corrigido.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.