Furtos e roubos de bicicleta disparam em São Paulo e batem recorde

Registros de crimes já superam todo o ano passado; número de ciclistas nas ruas também cresceu

Imagem mostra mulher segurando bicicleta sobre ciclovia
A designer Renata Cardamoni, 30, já teve quatro bicicletas furtadas em São Paulo - Bruno Santos/Folhapress
São Paulo

Em oito anos pedalando pelas ruas da cidade de São Paulo, a designer Renata Cardamoni, 30, já teve quatro bicicletas furtadas.

As três primeiras foram por descuido, ela admite. “Maior trauma, sinto até vergonha.” Da última, não teve jeito. A bicicleta estava trancada em um poste com um cadeado resistente, mas os ladrões tiraram a placa e entortaram a estrutura até o chão para tirar a bike.

“É chato. Eu usava muito para sair à noite, agora penso se vai ter lugar para guardar. Só deixo na rua se for uma rua movimentada. Mas não pode deixar de pedalar”, diz ela.

Renata faz parte de uma estatística crescente na cidade. Os registros de furtos de bicicleta dispararam na capital, com 1.825 casos de janeiro a setembro deste ano.

Isso representa 52% a mais de ocorrências do que o mesmo período de 2018 e acima até do que os registros do ano passado inteiro, de janeiro a dezembro, segundo os registros de boletins de ocorrência, obtidos pela Folha via Lei de Acesso à Informação. Em uma década, comparando o dado de 2010 com o de 2019, o aumento foi de 155%.

 

Os casos de roubos, em que o assaltante toma a bicicleta do ciclista ameaçando ou usando a força, também cresceram. Foram 497 registros de janeiro a setembro deste ano (6% a mais do que no mesmo período do ano passado).

Esse aumento está mais concentrado na capital. O estado de SP também registrou crescimento nos últimos anos, mas os números estão estabilizados desde 2016. Em 2019, houve em média 47 casos de furtos e roubos por dia, um a cada meia hora.

Um dos fatores que ajudam a explicar o aumento expressivo na última década é a quantidade de pessoas que passaram a usar a bicicleta como meio principal de transporte.

Em 2010, havia 58,2 quilômetros de ciclovias e ciclorrotas na cidade, de acordo com dados da CET (Companhia de Engenharia de Tráfego). Em 2019, são 503,6 quilômetros.

Entre 2007 e 2017, o número de ciclistas nas ruas saltou 24%, chegando a 377 mil viagens por dia, segundo dados das últimas pesquisas Origem Destino do Metrô de SP, estudo mais confiável do deslocamento na cidade.

A análise de boletins de ocorrência mostra que há uma alta concentração de roubos em áreas ricas da cidade, como as ciclovias da avenida Paulista, da avenida Faria Lima (duas das mais movimentadas) e as do entorno dos parques Villa-Lobos e do Povo, na zona oeste.

Isso se dá também por um aumento, nos últimos anos, de ciclistas ricos, que pedalam com bicicletas mais caras. 

Embora ainda representem uma proporção mínima do total de viagens de bicicleta (a maior parte dos deslocamentos é feita por ciclistas pobres), houve um salto de 275% entre os que têm renda familiar de mais de R$ 11,5 mil por mês, de 4.000 para 15 mil viagens por dia, de acordo com a pesquisa Origem Destino.

Mas o mapa também mostra concentração de crimes na República (centro), na Radial Leste (zona leste) e no Jabaquara (zona sul da cidade).

Em 2016, o Governo de São Paulo, à época sob gestão Geraldo Alckmin (PSDB), anunciou a criação de um cadastro de chassis de bicicletas, para facilitar a identificação de veículos que tiverem sido roubados. 

A reportagem questionou a Secretaria da Segurança Pública sobre quantas bicicletas foram cadastradas no sistema, quando ocorreu o último cadastro e de que maneira isso teve efetividade no número de assaltos, mas não teve resposta.

O governo diz que, de janeiro a setembro deste ano, 99 bicicletas foram recuperadas (menos de 5% do total de registros de bicicletas roubadas) e 77 pessoas foram presas. Diz ainda que intensificou o policiamento nas principais ciclovias e corredores da cidade, inclusive usando bicicletas elétricas.

Os furtos e roubos de bicicleta não são exclusividade de São Paulo. O departamento de transportes de Londres, por exemplo, estima que ocorram cerca de 20 mil roubos de bicicleta por ano na capital da Inglaterra —dez vezes o total de SP, sendo que o número de ciclistas nas ruas é apenas o dobro da capital paulista.

As associações de ciclistas estimam que haja alta subnotificação desses furtos, principalmente de bicicletas mais baratas, que são a maior parte das que estão em circulação.

Das quatro que perdeu, Renata Cardamoni só registrou queixa de uma delas, justamente a que valia mais. Ela chegou a ir a uma feira de produtos roubados em São Paulo, mas sem sucesso.

Algumas bicicletas roubadas até são anunciadas em plataformas online de comércio após o crime —geralmente com valor muito abaixo do preço comum, o que deve acender alerta em quem procura na internet uma bike usada. Na maior parte das vezes, porém, são modificadas a ponto de o antigo dono não reconhecê-la mais.

O fotógrafo Daniel Garcia diz que havia acabado de pagar sua bicicleta nova quando ela foi furtada, no ano passado, na avenida Paulista. 

“Entrei rapidamente num mercado, que estava vazio. Um casal de jovens entrou na minha frente na fila do caixa e ficou enrolando. Em coisa de menos de um minuto, comprei uma água, paguei e, quando saí, o casal tinha levado minha bicicleta. Foi premeditado”, diz.

“Ganhei uma outra bicicleta da minha esposa, mas já perdi o pique. Passei dos 50 anos, pedalo sozinho, a cidade está ruim, os motoristas não respeitam, as ciclovias estão uma porcaria. Fiquei muito chateado”, afirma ele.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.