PM e outros dois homens são presos por tentativa de homicídio após beijo gay

Ajudante de cozinha de 33 anos levou quatro tiros em bar de Camaçari

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

A Polícia Civil de Camaçari (BA) prendeu na sexta-feira (1) três homens suspeitos de tentativa de homicídio motivada por homofobia contra o ajudante de cozinha Marcelo Macedo dos Santos, 33, agredido fisicamente e atingido por quatro tiros no braço e no abdômen após beijar um homem no bar onde estava entre amigos, no último dia 20. 

Entre os presos está o policial militar Fredson Silva de Castro. Os outros dois suspeitos são Maurício Ferreira de Jesus e José Carlos Novaes Souto Seto. Fredson ficará no 12º Batalhão da Polícia Militar de Camaçari e Maurício e José Carlos foram encaminhados para o sistema prisional.

Por causa dos ferimentos, Marcelo perdeu o baço, teve um pulmão perfurado e escapou por pouco da morte. A tentativa de homicídio motivou uma mobilização de familiares e amigos para cobrar agilidade na investigação.

O ajudante de cozinha Marcelo Macedo dos Santos, 33, com marcas de disparos pelo corpo sofridos em tentativa de homicídio motivada por homofobia, em Camaçari, região metropolitana de Salvador, no último dia 20. Marcelo foi atingido no braço e no abdômen, após beijar um paquera no bar onde estava. Devido aos disparos, perdeu um baço, teve um pulmão perfurado
O ajudante de cozinha Marcelo Macedo dos Santos, 33, com marcas de disparos pelo corpo sofridos em tentativa de homicídio motivada por homofobia, em Camaçari, região metropolitana de Salvador, no último dia 20. Marcelo foi atingido no braço e no abdômen, após beijar um paquera no bar onde estava. Devido aos disparos, perdeu um baço, teve um pulmão perfurado - Arquivo Pessoal

O ajudante de cozinha lembra que a violência começou após uma troca de beijos, seguida por carícias no braço do namorado. Um dos agressores levantou da mesa onde estava e questionou Marcelo, dizendo que o bar estava "cheio de pais de família". 

Em seguida, começaram as agressões e depois vieram os tiros. 

"Não estávamos fazendo nada de explícito. Eles também trocaram beijos com as moças que estavam com eles. É a mesma coisa", disse. 

Marcelo ficou internado no Hospital Geral de Camaçari até a semana passada e agora se recupera em casa. 

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.