Defensora de Bolsonaro, youtuber lésbica sofre ataque homofóbico

Karol Eller foi agredida na Barra da Tijuca, no Rio, acompanhada da namorada

São Paulo

Defensora do governo de Jair Bolsonaro (sem partido), a youtuber Karol Eller foi agredida no último domingo (15), de acordo com o colunista Leo Dias, do UOL e Jornal de Brasília. 

Karol é lésbica e foi, segundo o colunista, vítima de um ataque homofóbico na praia da Barra da Tijuca, na zona oeste carioca. Amiga do filho mais novo de Bolsonaro, ela se tornou conhecida por fazer postagens e vídeos em que tenta afastar a sombra de homofobia do presidente. 

Acompanhada da namorada, a youtuber teria sido abordada por um homem, em um quiosque, e tomado socos e pontapés por estar acompanhada de uma mulher. Ele teria dito: "Como você consegue namorar um mulherão desses, hein"? Na sequência, a provocação virou agressão. 

Ela, que chegou a desmaiar, foi socorrida e levada para o pronto-socorro. Foto publicada pelo colunista, mostra o rosto dele bastante desfigurado. 

No Instagram ela escreveu: "Gostaria que vcs lembrassem de mim com esse rosto! Deus tá no comando de tudo. Agora estou sem condições de falar ou fazer vídeos explicando! Mas quando eu estiver bem eu volto pra falar com vcs! Obrigada a todos pelo suporte. Orem por mim."

Em suas redes sociais, os internautas se dividiram entre mensagens de apoio e outras em que dizem que a youtuber sentiu a homofobia que ela sempre negara no governo Bolsonaro. 

Mineira, Karol havia se mudado para o Rio há poucos dias. A youtuber foi contratada para trabalhar na EBC (Empresa Brasil de Comunicação), que gere emissoras de rádio e televisão públicas federais, sob a gestão Bolsonaro. A notícia do novo emprego da amiga íntima da família Bolsonaro repercutiu na mídia, inclusive divulgando o salário dela, que seria de R$10.700 

O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidente Jair Bolsonaro, lamentou por meio das redes sociais o ataque homofóbico a youtuber.

No Twitter, Eduardo prestou solidariedade a youtuber e uma provocação à esquerda. "Deixo aqui minha solidariedade a Karol Eller. As fotos são bizarras", iniciou ele.

"Lésbica e apoiadora do Presidente Bolsonaro, ela já superou muitas situações difíceis, oro pra que logo se recupere. Pela direita, o agressor teria pesada prisão. Será que a esquerda apóia tal medida?", questionou.

 

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.