Descrição de chapéu Obituário Jun Igarashi (1975 - 2019)

Mortes: Difundiu a arte marcial japonesa e propagou a paz

Jun Igarashi criou um método que mistura de pilates, preparação física, musculação e levantamento de peso olímpico

São Paulo

Jun Igarashi não era só um atleta e preparador físico. Dedicado, vivia em função do bem-estar e da saúde dos alunos. 

Mesmo saudável, vigoroso e cheio de vida, precisava conviver com o fato de sua família ter predisposição genética para problemas cardíacos, segundo conta a esposa, a preparadora física Luciana Igarashi, 38. 

No dia 22 de dezembro, um ataque cardíaco interrompeu sua vida aos 44 anos.

Jun Igarashi (1975-2019)
Jun Igarashi (1975-2019) - Arquivo pessoal

Apesar de curta, Jun teve uma trajetória marcante no esporte. "Foi uma peça fundamental na divulgação do shodokan aikidô (arte marcial japonesa) no país", diz Luciana.

Além de técnico da seleção brasileira, foi instrutor de defesa pessoal da guarda municipal do Rio de Janeiro, e ministrou alguns workshops ao Bope e à Marinha.

Em meados de 2003, começou a estudar e a dar aulas de pilates e preparação física. Aperfeiçoou-se e criou o próprio método, chamado Híbrido Igarashi, que consiste na mistura de pilates, preparação física e outras modalidades de treino, como musculação e levantamento de peso olímpico.

A técnica fez tanto sucesso que chegou ao meio artístico. "Depois que resolveu o problema de dores na coluna lombar do ator Marcelo Novaes, seu nome se propagou", relata Luciana.

Humilde na forma de tratar as pessoas, considerava os alunos como amigos. "Ele era o mestre, o terapeuta e um professor, que sabia usar a didática e a doçura ao mesmo tempo", afirma.

Nas horas de descanso, a disciplina do esporte era substituída pelo carinho das crianças. Uma das coisas que Jun mais gostava de fazer era ficar sozinho com os filhos. 

Jun Igarashi deixa esposa e dois filhos.

coluna.obituario@grupofolha.com.br
 
Veja os anúncios de mortes

Veja os anúncios de missas​​

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.