Doria decide afastar os 38 PMs que participaram da ação em baile funk de Paraisópolis

Todos participaram da operação que deixou 9 mortos e seis já haviam sido afastados; familiares das vítimas definiram as mortes como massacre

São Paulo

O governador João Doria (PSDB) decidiu afastar 38 policiais militares que participaram da ação em um baile funk que acabou com nove mortes em Paraisópolis, na zona sul de São Paulo.

O pedido foi feito por familiares de vitimas durante reunião no Palácio dos Bandeirantes na noite desta segunda-feira (9). Doria determinou ao secretário da Segurança Pública, general João Camilo Campos, que o pedido seja atendido.

Seis policiais militares, dos 38 agora anunciados, já haviam sido afastados dos serviços operacionais na última semana em decorrência das ação. Agora, serão afastados outros 32. 

"O afastamento é uma questão de respeito. Não vamos afastar seis se há 38 envolvidos", afirmou Maria Cristina Quirino, mãe de Denis Henrique, 16, morto no episódio.

 
Danilo Amilcar Quirino e Maria Cristina Quirino, mãe e irmão de Denys Henrique, morto em Paraisópolis - Marlene Bergamo/Folhapress

Parentes das vítimas e sobreviventes acusam os policiais militares de encurralarem os frequentadores do baile e depois agredi-los em vielas. Vídeos que circularam após as mortes mostram cenas de agressão da polícia e correria no local. 

PMs afirmam que perseguiam suspeitos em uma moto. Segundo eles, os suspeitos teriam entrado no baile e atirado contra os policiais, causando correria.

Participaram do encontro também a Defensoria Pública e a Procuradoria do estado, além de secretários estaduais.

No encontro, segundo o governo, foram tratadas questões como transparência das investigações e também assistência às vítimas.  

“A reunião foi para escutar as famílias, mostrar a postura do Estado, o que estamos fazendo e pretendemos fazer. A palavra principal da reunião foi respeito, transparência e providências que o Estado deve tomar. As providência agora são de transparência, de respeito ao luto das famílias e de programas que vão atender à necessidade das comunidades”, disse a Procuradora Geral do Estado, Lia Porto Corona.

A secretaria estadual de Desenvolvimento Social, Célia Parnes, definiu o encontro com um momento de "escuta sensível".

De acordo com familiares das vítimas, parentes de oito dos nove jovens mortos estiveram presentes no encontro. Após a reunião com Doria, eles definiram as mortes como um massacre e afirmaram que houve erros na operação do começo ao fim.

"Não há reparo que pague a nossa dor. Eu tenho certeza de que a abordagem dos policiais seria diferente se fosse em outra região da cidade", afirmou Fernanda dos Santos Garcia, irmã de Denis Franco, 16, também morto em Paraisópolis.

Segundo a Folha apurou, o afastamento dos policiais desagradou parte da cúpula da PM, que acredita que a ação possa ter sido legítima, e que apenas uma investigação da Corregedoria pode afastar essa certeza. O temor é que essa decisão possa criminalizar os policiais antes do final das investigações.

O anúncio do afastamento dos policiais militares aponta mais uma mudança de posição de Doria, que foi eleito com um discurso linha-dura, na esteira de Jair Bolsonaro (PSL).  Inicialmente, o governador havia afirmado que não mudaria o modo de agir da polícia. 

“A política de segurança pública não vai mudar. As ações na comunidade de Paraisópolis e em outras comunidades de São Paulo, seja por obediência da lei do silêncio, por busca e apreensão de drogas ou fruto de roubos, vão continuar. A existência de um fato não inibirá as ações de segurança. Não inibe a ação, mas exige apuração”, afirmou Doria em entrevista semana passada, na segunda-feira (2).

Três dias depois, Doria afirmou que estava chocado com um vídeo que mostrou agressões de um policial a jovens em um baile funk, também em Paraisópolis, em outubro.

O governador afirmou que os casos de violência desproporcional praticados pelos policiais devem ser punidos. "Isso é incompatível com o respeito à corporação", afirmou. "É uma circunstância inaceitável que a melhor polícia do Brasil utilize de violência ou de força desproporcional, sobretudo quando não há nenhuma reação de agressão."

A reação de Doria ocorreu após uma semana de revelações de violência policial em bailes funk em São Paulo e protestos contra abusos.

A mudança de tom do tucano também se deu após o ministro da Justiça de Jair Bolsonaro (PSL), Sergio Moro, afirmar que houve falhas graves do caso —o ex-juiz já foi condecorado pelo governador com a mais alta honraria do estado. 

Desde que entrou na política, Doria costuma se manter atento à maré da opinião pública na hora de tomar decisões. Neste caso, busca descolar sua imagem de desgaste relacionado à morte dos adolescentes. 

Parte importante do secretariado do tucano foi acionado para estancar a crise política envolvendo este caso. O governo elabora, inclusive, planos para contemplar pedidos dos moradores de Paraisópolis. 

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.