Homem que matou cinco pessoas no litoral de SP tinha histórico de agressão doméstica

Crime ocorreu na madrugada desta quinta (5); mulher baleada segue internada em hospital

Santos

O eletricista Alex Sander Correia, 40, que atirou na companheira Renata Maria e matou cinco pessoas da mesma família em São Vicente, no litoral paulista, na madrugada desta quinta-feira (5), já tinha histórico de violência doméstica e porte ilegal de armas. A mulher baleada seguia internada até o início da noite desta quinta. 

Correia cometeu suicídio após os crimes que ocorreram nos bairros Humaitá e Jóquei Clube na cidade. O caso é investigado pela Polícia Civil.

“Ele já respondeu por violência doméstica, mas, mesmo com a medida, estava morando com a companheira. De acordo com a filha, ele estava desempregado e, por isso, permaneceu. Era violento, mas ela o admitiu em casa novamente. Foi uma tragédia anunciada”, disse o delegado Norberto Bergamini, responsável pelo 2º DP da cidade.

A medida protetiva da atual companheira contra ele ocorreu em 2018, após registrar boletim de ocorrência por agressão.

De acordo com a polícia, Alex Sander discutia com a companheira. Ele saiu, foi até a casa da sogra, e quando chegou pegou um revolver e disparou dois tiros contra ela, um na cabeça e outro no baço. A filha Larissa, de 21 anos, presenciou tudo.

Ele saiu de moto em direção ao bairro Jóquei Clube, em direção a casa de uma Margarete Pinheiro, 41. No local, atirou contra os cinco pessoas: quatro mulheres e um homem idoso.

Uma delas chegou a ser socorrida com um tiro na cabeça, mas morreu ao chegar no Hospital Municipal de São Vicente. Uma adolescente de 14 anos também foi baleada, mas sobreviveu e foi socorrida em estado grave.

O atirador voltou a sua residência onde cometeu suicídio. A filha de 21 anos e um policial testemunharam na delegacia. A motivação para os ataques ainda é investigada. 

“A mulher que matou havia entrado com uma ação de paternidade. O caso ainda será investigado, mas, infelizmente, foi uma carnificina”, disse o delegado.

O eletricista já havia realizado teste de DNA para averiguar a paternidade em relação a uma criança de sete anos, fruto da relação extra conjugal com Margarete.

Em nota, a prefeitura de São Vicente informou que duas mulheres deram entrada no Hospital Municipal da cidade, ambas levadas pelo Samu. A companheira passou por cirurgia e estava em recuperação até o início da noite desta quinta. A outra, uma das quatro mulheres baleadas na casa de Margarete, acabou morrendo a um tiro na cabeça.
 

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.