Laudo comprova lesões em youtuber, mas versões são conflitantes

Karol Eller diz que foi vítima de homofobia; agressor afirma que ela mostrou arma

Rio de Janeiro

Exame de corpo de delito realizado nesta quarta-feira (18) atesta que a youtuber Karol Eller sofreu lesões severas ao ser agredida na manhã de domingo (15) após discussão com um frequentador do quiosque Tia Augusta, na Barra da Tijuca.

Também segundo laudo do IML (Instituto Médico Legal), o agressor, Alexandre Silva, e a namorada de Karol, Suelen dos Santos, sofreram lesões leves.

O agressor poderá cumprir pena de até cinco anos por lesão corporal. Há hipótese de que seja condenado por até três anos de prisão por injúria, caso seja configurado crime de homofobia

A youtuber Karol Eller após ter sido agredida no Rio de Janeiro
A youtuber Karol Eller após ter sido agredida no Rio de Janeiro - Reprodução

Mesmo constatada a gravidade das lesões, Karol e demais envolvidos no episódio deverão prestar novos depoimentos para esclarecer divergências entre os depoimentos das vítimas e de duas testemunhas.

Não está nem descartada a possibilidade de Karol ser indiciada por suposto porte ilegal de arma, já que, segundo a versão do agressor e de duas testemunhas, Karol empunhava a pistola da namorada, que é policial civil, minutos antes de ser agredida.

A Polícia do Rio intimou, também nesta quarta, a proprietária e funcionários do quiosque. Encarregada do caso, a delegada Adriana Belém, da 16ª DP, afirma que os depoimentos são conflitantes e que por isso determinou a coleta de imagens e novos depoimentos.

Oficial de cartório, Suelen poderá ser punida caso tenha permitido que Karol segurasse a arma. Em declarações extraoficiais, ela teria admitido ter deixado a arma com a namorada enquanto buscava algo em seu carro. “Um policial não cede de maneira alguma a arma”, afirmou a delegada.

De acordo com a polícia, Alexandre acompanhava o casal Carlos Guilherme de Oliveira e Dorena Fortini e teria sido apresentado pelos dois a Karol e Suelen.

Em depoimento à policia, Karol afirmou ser vítima de homofobia. Segundo ela, Alexandre a teria chamado de bizarra e sugerido que ela urinasse na rua por ser macho. Ele ainda teria assediado Suelen, dando início a uma briga.

Já Alexandre e o casal que o acompanhava afirmam que Karol voltou alterada do banheiro, onde teria consumido cocaína. A youtuber, segundo essa versão, teria mostrado a arma da namorada, identificando-se como delegada. Ela teria acusado Alexandre de assediar Suelen.

Amigo de Alexandre, Guilherme teria convencido Karol a entregar a arma. Mas a discussão continuou. Karol foi atingida com socos e pontapés. “Nada justifica uma agressão”, disse a delegada.

O Tia Augusta é um quiosque que funciona por 24 horas, sendo frequentado por notívagos quando deixam as festas na Barra da Tijuca.

Segundo depoimento de Suelen, Alexandre se referia a Karol como ele e repetia “você não é mulher, não. Você é homem”. Alexandre teria tocado no braço de Suelen e dizendo “você é uma morena muito bonita. O que está fazendo com isso?” Ele teria dito que o mundo está de cabeça para baixo.

Ainda de acordo com Suelen, Alexandre teria empurrado Karol, provocando-a: “você não é macho? Então vem para cima”.

Em resposta, a youtuber teria dito ser mulher, virando-se para deixar o quiosque. Alexandre teria, então, imobilizado Karol e dado socos em seu rosto, até derrubá-la no chão e deixá-la desacordada. Em seguida, ele teria chutado o rosto da youtuber.

Suelen diz ter tentado deter Alexandre, levando um soco no peito. Ela afirmou que a briga não foi testemunhada pelo agente penitenciário Carlos Guilheme de Oliveira e sua namorada Dorena Fortini.

Os dois, no entanto, prestaram depoimento à polícia, sustentando a versão de Alexandre. Em seu depoimento, Dorena afirma que Karol estava muito alterada, se identificou com delegada federal e que a todo tempo manuseava a arma.

Ainda segundo Dorena, Suelen se identificou como policial civil e dona da pistola, negando que a youtuber fosse delegada. 

Ainda segundo Dorena, Karol retirou o carregador e deu um golpe na pistola. De acordo com essa versão, Suelen pediu ajuda para convencer Karol a devolver a arma. 

Guilherme —segundo quem Karol teria cheirado “três pinos de cocaína no banheiro"— teria convencido Karol a devolver a pistola. Alexandre teria repreendido Karol, dando início à confusão.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.