Moradores de Paraisópolis cobram de secretários uma subprefeitura e organização de bailes

Ao menos 20 secretários municipais e estaduais estiveram hoje no local que foi palco de nove mortes de jovens

São Paulo

Moradores de Paraisópolis (zona sul de SP) se reuniram neste segunda-feira (9) com uma comitiva de cerca de 20 secretários estaduais e municipais para cobrar demandas como uma subprefeitura Paraisópolis/Morumbi e infraestrutura para o baile funk na comunidade. 

No entanto, ainda não foram anunciadas respostas concretas pelas gestões dos tucanos Bruno Covas e João Doria, além de planos que já estavam em andamento. A prefeitura disse que vai estudar criação da subprefeitura. 

As equipes compareceram ao local após a favela virar centro de uma crise causada pela morte de nove jovens durante ação policial em um baile funk.

Comissão de secretários municipais e estaduais durante encontro com moradores de Paraisópolis, na zona sul - Marlene Bergamo/Folhapress

Segundo o presidente da União de Moradores e do Comércio de Paraisópolis, Gilson Rodrigues, uma vez que o baile funk existe, é necessário a criação de infraestrutura.

"Queremos um baile organizado, com horário para começar e terminar, mas também infraestrutura [como banheiros]", disse. 

Ele afirmou que diversos planos já foram interrompidos e, desta vez, é necessário haver medidas concretas. A lista entregue pelos moradores tem dezenas de itens, incluindo retomada das obras da estação da linha 17-ouro do metrô. 

De acordo com a secretária estadual de Desenvolvimento Econômico, Patricia Ellen, foi criada uma comissão que em dez dias vai dar respostas aos moradores. Os eixos definidos são educação, cultura, desenvolvimento social, saúde e emprego. 

O secretário estadual de Cultura, Sergio Sá Leitão, afirmou que os pedidos são viáveis e serão analisados. Na área cultural, há pedidos de expansão de programas como projeto Guri, apoio aos projetos já existentes na favela e ajuda na regulamentação dos bailes funk. 

O titular da Cultura municipal, Alê Youssef, afirmou que a prefeitura tomará medidas como a inclusão do CEU Paraisópolis no calendário cultural da cidade, com shows de artistas locais e os de maior projeção.

Citou também um festival de funk, cuja criação já estava em andamento, e que começará pela Cidade Tiradentes (zona leste de SP). 

Youssef afirmou que o funk deve ser tratado como cultura e que não pode ser criminalizado. "Em outros momentos históricos outros ritmos já foram criminalizados", disse, citando o hip-hop e o punk.

No início da noite, o governador João Doria (PSDB) se reuniu com familiares das vítimas no Palácio dos Bandeirantes. 

Participaram do encontro também a Defensoria e a Procuradoria do estado, além de secretários estaduais.

No encontro, segundo o governo, foram tratados questões como transparência das investigações e também assistência às vítimas.  

"Foi um momento de escuta sensível", disse a secretaria estadual de Desenvolvimento Social, Célia Parnes.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.